Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sábado, 22 de Setembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ Estados Unidos querem eleições na Guiné-Bissau no calendário previsto

2018-01-26

(ANG) - O embaixador dos Estados Unidos para a Guiné-Bissau, Tulinanbo Mushingi, declarou quarta-feira, em Bissau, que o seu governo pretende ver realizadas as eleições legislativas e presidenciais de acordo com o calendário previsto na lei do país.



Em conferência de imprensa de balanço dos contactos com os atores políticos guineenses, o diplomata norte-americano, com residência no Senegal, disse ter exortado a todos sobre a necessidade das eleições legislativas decorrerem este ano e as presidenciais no próximo, conforme o calendário.

«Para os EUA é extremamente importante a realização de eleições legislativas e presidenciais de acordo com o calendário eleitoral legalmente estabelecido», declarou Tulinanbo Mushingi.

O Presidente guineense, José Mário Vaz, sugeriu, no passado mês de dezembro, que o próximo acto eleitoral no país, decorresse em simultâneo, mas em 2019, para dar tempo ao novo governo a ser formado para que possa preparar melhor os dois escrutínios, sustentou.

O embaixador norte-americano para Guiné-Bissau, disse ter aproveitado os encontros com líderes guineenses para lhes lembrar da necessidade de haver um entendimento no país que possibilite a nomeação de um novo governo, a ser integrado por todas as partes desavindas neste momento.

Mushingi exortou também sobre a importância da retoma das sessões plenárias do Parlamento, suspensas há mais de dois anos.

«Isto é particularmente relevante na medida em que as eleições aproximam-se», sublinhou.

Elogiou o facto de durante a crise política que assola a Guiné-Bissau, há cerca de três anos não ter havido violência, uma situação que, disse, deve ser preservada.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw