Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 22 de Abril de 2018
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Caju/ “Campanha de 2017 foi um desastre”, diz vice-presidente da Associação de Exportadores e Importadores

2018-01-26

(ANG) – O vice-presidente da Associação dos Exportadores e Importadores da Guiné-Bissau (AEI-GB), qualificou hoje de “desastrosa” a campanha de caju do ano findo, “apesar de o preço junto ao produtor ter atingido os mil francos cfa. Falando em exclusivo à ANG, Fernando Flamengo disse que até agora as autoridades ainda não divulgaram a quantidade do produto exportada.



“A campanha que terminou não foi nada boa, por que muitos empresários exportaram o produto demasiadamente tarde, ou seja, nessa altura o preço já não era favorável no mercado internacional, o que foi muito prejudicial para as empresas“, salientou .

Fernando Flamengo reconheceu que os agricultores podem ter ganho muito em relação aos anos anteriores, no entanto, questionou a importância deste ganho uma vez que, ao contrário dos empresários, não aplicaram os ganhos em investimentos em novas infraestruturas e criação de emprego.

“Investem ou financiam de alguma forma a economia do país?”, questionou o vice dos exportadores para de seguida acrescentar que os agricultores limitam-se apenas a fazer o uso dos benefícios em coisas supérfluas, nomeadamente em cerimónias de usos e costumes.

O também Presidente da Associação Industrial da Guiné-Bissau disse que a aparente “vida de luxo” que os exportadores mostram na praça pública é uma “mentira”, porque quase todos os seus bens estão hipotecados pelos Bancos comerciais por dívidas estrondosas, e no fundo não têm capacidades para gerir a própria exportação.

Acrescentou que são os indianos, chineses e agora os vietnamitas que financiam as operações.

“Os nossos bancos com um pouco que têm não conseguem ter a capacidade de emprestar à todos e os juros são altíssimos por isso os exportadores estão sujeitos ao financiamento externos”, disse.

Flamengo sublinhou que, o que não percebe é que existem empresários com mais de 20 anos na fileira de caju mas que não conseguem acumular meios financeiros para autofinanciar as suas operações

O Presidente dos Importadores e Exportadores disse que o país podia ter um ganho de verdade se tivesse uma visão para o sector fazendo planos para industrialização de caju diminuindo a exportação e ter mais capacidade de transformação.

Aquele empresário disse que a próxima campanha será mais um como muitas que já passaram ou seja nada vai melhorar porque as pessoas estão interessadas mais com a política.

ANG/MSC/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw