Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sábado, 22 de Setembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ ANP diz haver tentativa para detenção de Domingos Simões Pereira

2018-01-30

(ANG) – O Presidente da Assembleia Nacional Popular disse existir provas que comprovam a veracidade das notícias que circulam nos últimos dias sobre a eminência de detenção do deputado Domingos Simões Pereira.



Em nota enviada ao embaixador da União Europeia no país, Cipriano Cassamá, sem citar os nomes, acusa os órgãos de poderes público de perseguição para com a instituição que representa com o objectivo de denegrir a imagem dos seus dirigentes.

A nota datada de 26 de Janeiro refere que depois da detenção dos deputados Gabriel Sow e José Dju mais recente, agora é a pertença deliberada de detenção do deputado Domingos Simões Pereira, ambos da Bancada Parlamentar do PAIGC. “A concretizar mais este intento seria o desprezo e uma grosseira violação das regras que dignificam os órgãos de soberania e sobretudo ao são convivência num regime democrático”, disse o líder da ANP.

Frisou que os poderes públicos têm tentado ao arrepio das leis, accionar este “macabro” plano visando silenciar o deputado Simões Pereira, razão pela qual a ANP enquanto supremo órgão representativo do povo guineense ,não pode tolerar uma situação desta natureza.

A nota lamentou-se as detenções de deputados que gozam de imunidade parlamentar, instituto que os protege e cuja qualquer acção sobre eles carece de levantamento da imunidade parlamentar .

No documento, a ANP considera que em diversas ocasiões, os princípios acima referidos foram de uma forma intencional e vergonhosa, ignorados e violados pelo poderes públicos instalados colocando aquela instituição na contingência de repor legalidade dos factos por intermédio de recursos a posteriores.

“Expediente que desta feita a ANP não está disponível a recorrer, razão pela qual vem por este meio solicitar a União Europeia no quadro do seu mandato que adopte todos os mecanismos visando pôr cobro a situação”, disse Cassamá, salientando que “é inaceitável que um órgão de soberania representante do povo esteja a ser vitima deste lamentável ato de perseguição com o objectivo apenas de denegrir a imagem dos seus dirigentes e pôr em causa a sua dignidade institucional”.

ANG/MSC/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw