Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 19 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ Polícia desocupa sede do PAIGC e os congressistas voltam ao trabalho

2018-02-02

(ANG) – Os trabalhos do IX congresso do PAIGC estão agora a decorrer na sede nacional do partido, depois de a polícia guineense ter desocupado quinta-feira o edificio sede do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).



A desocupação foi saudada com uma festa popular de militantes em Bissau, com vivas à democracia e à liberdade.

Alegando ordens judiciais, a polícia ocupou a sede do PAIGC desde segunda-feira, impedindo o início do congresso do partido previsto para terça-feira a tarde. Após algumas horas do cerco ao edifício, situado a um metro do palácio presidencial, a polícia acabaria por expulsar do imóvel alguns militantes e dirigentes que aí se encontravam e que se dirigiram para a sede das Nações Unidas para pedir socorro.

Na noite de terça-feira, numa cerimónia improvisada num hotel de Bissau, o líder do partido, Domingos Simões Pereira, procedeu a abertura do congresso. O secretário nacional do PAIGC, Aly Hijazi, disse aos jornalistas que a devolução da sede aos militantes foi ordenada pela Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO), que enviou a Bissau uma missão de alto nível.

O dirigente não desmentiu que o novo primeiro-ministro, Artur Silva, proposto pelo Presidente do país e rejeitado pelo PAIGC, tenha contribuído para a recuperação da sede do partido, de que é também dirigente.

“É uma contribuição válida, não podemos deixar de citar isso, mas não foi só isso”, observou Aly Hijazi, quando questionado pela Lusa sobre se confirmava a indicação de que teria sido Artur Silva a ordenar ao ministro do Interior do Governo demissionário, Botche Candé, a devolução da sede ao PAIGC.

Hajazi enalteceu o trabalho feito pelos órgãos do partido, a resistência demonstrada pelos militantes e ainda o facto de a actuação da polícia não ter cobertura legal, para o desfecho que hoje motivou uma festa popular aos apoiantes do PAIGC.

Após uma revista minuciosa, para determinar se não foram colocados materiais suspeitos, nomeadamente microfones e ou objectos ou substâncias comprometedoras, o congresso foi retomado por volta da meia noite.

Dezenas de militantes afluíram à sede, poucos minutos depois de a polícia levantar o cerco, cantando e dançando, elogiando a coragem do líder do partido, Domingos Simões Pereira, mas também gritando vivas à democracia e à liberdade. A festa que se montou em frente à sede estava colorida com bandeiras, cachecóis e chapéus do PAIGC.

ANG/Inforpress/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw