Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sábado, 21 de Outubro de 2017
Todas as categorias
Cultura
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Cinema/ Flora Gomes prepara documentário sobre Amílcar Cabral

2015-10-28

(ANG)- O cineasta guineense Flora Gomes pretende produzir um documentário de ficção para retratar a vida e obra de Amílcar Cabral, pai das nacionalidades guineense e cabo-verdiana.



É o próprio que o revela numa recente entrevista a RFI , em Paris à margem de um colóquio da delegação parisiense da Fundação Calouste Gulbenkian sobre as artes da língua portuguesa.

Flora Gomes disse que realizar um trabalho sobre Amílcar Cabral continua a ser um dos seus projectos, salientando que já tem alguns apoios para avançar.

“Já estou a ouvir os testemunhos dos combatentes que viveram com Cabral e pessoas que tiveram aquele privilégio e sorte de ouvi-lo ou de o ter cumprimentado. Já tenho mais de dez horas de entrevistas filmadas, salientando que só depois disso que vou atacar a parte da ficção” disse o cineasta.

Flora Gomes esclareceu que fazer o filme não é difícil, mas disse que vai ser muito caro, porque, segundo as suas palavras, o referido filme de Cabral é muito caro e disse esperar que a obra seja da dimensão de Amílcar Cabral.

O cineasta guineense adiantou que o acto é de grande responsabilidade, salientando no entanto que o homenageado merece.

Flora Gomes conta ter apoios dos actuais dirigentes do partido de Cabral, o PAIGC e o actual Primeiro-ministro e acha que vão compreender que o que está a preparar visa imortalizar tudo o que fizeram de bem e do mal até aqui, no quadro do pensamento de Amílcar Cabral.

Para Flora Gomes, a grande dor da cabeça do projecto, será a parte de ficção, ou seja encontrar a pessoa ou personagem ideal para interpretar Amílcar Cabral e os meios que são precisos para avançar.

“Falar da morte de Amílcar Cabral é importante. O mais importante é todo aquele aspecto dum país que ergueu praticamente de nada e se não fosse a luta de libertação, eu não estaria aqui a ser entrevistado e muita gente não teria essa possibilidade hoje de ver a Guiné-Bissau nesse processo tão delicado de construção de uma nação e de ter essa identidade que não tem nada de igual” afirma Flora Gomes.

Segundo ele, para Cabral a luta de libertação era um acto cultural ele não só conseguiu distinguir com quem é que estávamos a lutar, que era contra o sistema de colonialismo português não contra nem nunca contra o povo de Portugal, mais também começou a criar o que ele chamou de homem novo.

“Esse homem novo é um homem sem complexo, que não pode sentir inveja dos outros. O homem que quer andar para frente, que tem o domínio da técnica e de tudo que a ciência coloca nas suas mãos", explicou.

Flora Gomes disse que Cabral não formou somente os homens de cinema porque são poucos nessa área, salientando que, o líder igualmente formou muitos engenheiros agrónomos, médicos em suma quadros para fazer da Guiné um paraíso e que, infelizmente, não é o caso ainda, mas disse acreditar que a situação vai mudar.

Flora Gomes lamentou a crise política vivida no país provocada pela demissão do governo de Domingos Simões Pereira e do impacto que teve em relação aos projectos culturais na Guiné-Bissau dizendo que é nesta fase que se deve repensar nos actos e decisões para que esse erro não volte a acontecer no futuro.

O cineasta guineense com mais obras feitas e mais conhecido no pais e além fronteira salientou que os militares são um exemplo a seguir e que durante a crise deram lições a todos principalmente aos políticos.

ANG/MSC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw