Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 24 de Setembro de 2018
Todas as categorias
Sociedade
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Homenagem à Nino Vieira e Tagme Na Waie/ Movimento “Nino Ka Muri” deposita coroas de flores e reclama justiça

2018-03-02

(ANG) – O Movimento “Nino Ka Muri”(Nino não morreu) depositou hoje no Cemitério Municipal de Bissau, coroas de flores nas sepulturas do ex-Presidente da República, João Bernardo Vieira (Nino) e na do ex. Chefe de Estado-Maior das Forças Armadas, Tagme na Waié assassinados nos dias 1 e 2 de Março de 2009.



Na ocasião, Amílcar Vieira, um dos filhos de malogrado João Bernardo Vieira que exige justiça disse tratar-se do dia mais difícil na história do país, passados 9 anos, acrescentando que até agora a dor e o sofrimento permaneceu nos corações dos familiares e amigos, sobretudo porque nada se fez para traduzir os autores dos crimes à justiça.

Lamentou a forma como seu pai foi assassinado, afirmando que o país perdeu um grande filho e combatente, acrescentando que “espera” que um dia os guineenses tenham paz e estabilidade duradoura.

Falando em nome dos combatentes da Liberdade da Pátria, o Presidente de honra do PAIGC e ex-primeiro-ministro, Carlos Correia manifestou a sua convicção de que um dia a justiça será feita e os culpados serão punidos por este “crime bárbaro”.

A veterana do `Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Francisca Pereira referiu, por seu lado, que trabalhou com os dois malogrados durante a luta armada na zona sul do país e salientou que Nino Vieira foi grande combatente e autor da proclamação da independência do país.

“Ele era um irmão para mim” deu tudo para que a Guiné-Bissau seja um país soberano e teve um fim que não mereceu”, lamentou Francisca Pereira.

Nino Vieira foi assassinado na sua residência pelos militares, um dia depois do assassínio de Tagme na Waie, e a Procuradoria-geral da República decidiu recentemente arquivar os processos de investigações sobre os dois casos.

ANG/JD/ÂC/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw