Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 11 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Casamento Infantil/ “A prevalência do fenómeno está a diminuir globalmente” diz UNICEF

2018-03-07

(ANG) – O Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF) disse no seu mais recente relatório que a prevalência do casamento infantil está a diminuir globalmente, observando-se em vários países reduções significativas nos últimos anos.



A informação consta num comunicado de imprensa enviado hoje à ANG, que afirma que a proporção de mulheres que casaram ainda crianças diminuiu 15 por cento na última década, de 1 em cada 4 para aproximadamente1 em cada 5.

De acordo com os dados do UNICEF, estima-se que o número total de crianças casadas na infância é de cerca de 12 milhões por ano. Os novos números apontam para uma redução global acumulada de menos de 25 milhões de matrimónios do que foi antecipado a nível mundial há 10 anos.

Entretanto, o documento refere ainda que o mundo comprometeu a acabar com o casamento infantil até 2030, destacando a necessidade de se redobrar esforços colectivos para se evitar que milhões de raparigas vejam a sua infância roubada através desta prática devastadora.

O relatório indica que a Àsia testemunhou o maior declínio no casamento infantil em todo o mundo nos últimos 10 anos, já que o risco de casar antes de 18 diminuiu para mais de um terço, de quase 50 por cento para 30 por cento, uma grande parte devido ao progresso na Índia.

Segundo o relatório, cerca de 650 milhões de mulheres casaram em criança, a Ásia do sul está a liderar a redução do casamento infantil na última década, enquanto o peso global deslocou para a Árica Subsariana onde as taxas de progresso precisam de ser ampliadas dramaticamente para compensar o crescimento populacional.

Das mais recentes noivas crianças casadas, 1 em cada 3 são de África Subsariana, em comparação com 1 em cada 5 anteriormente, subescreve o documento.

O documento refere que o aumento das taxas de educação das meninas, os investimentos proactivos do governo em raparigas adolescentes e fortes mensagens públicas em torno da ilegalidade do casamento infantil e os danos causados são uma das razões da mudança.

Para acabar com a prática até 2030, o UNICEF estabeleceu os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e o progresso deve ser acelerado.

“Sem o mesmo, mais de 150 milhões de meninas menores de 18 anos poderão se casar até 2030”, refere o comunicado.

ANG/JD/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw