Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 22 de Julho de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Cabo Verde/ Cabo-verdianos insatisfeitos com a governação e funcionamento da democracia, revela Afrosondagem

2018-04-27

(ANG) – Mais de 75 por cento dos cabo-verdianos “estão insatisfeitos” com o funcionamento da democracia em Cabo Verde e a maioria considera que o país está a ser dirigido “na direcção errada”, revelam dados da Afrosondagem divulgados quarta-feira.



Os dados são do estudo da Afrosondagem sobre a qualidade da democracia e da governação em Cabo Verde, realizado em 2017, e foram apresentados em conferência de imprensa hoje na Cidade da Praia.

Segundo o diretor-geral da Afrosondagem, José Semedo, os dados mostram que 76 por cento dos inqueridos estão “nada ou pouco satisfeito” com o funcionamento da democracia, o que, na sua perspectiva, aponta que os cabo-verdianos estão cada vez mais críticos relativamente ao funcionamento das instituições.

“Aqui falamos do Governo, do Parlamento, da Presidência da Republica e da Justiça de uma forma geral”, disse, indicando, entretanto, que apesar da crítica mais de 70 por cento preferem a democracia a qualquer outra forma do Governo.

Entretanto, quando questionado sobre atitudes dos políticos, 82 por cento dos inquiridos consideraram que os políticos “nunca ou poucas vezes” fazem o melhor para ouvir aquilo que o povo tem para lhes dizer.

No que refere à liberdade, os entrevistados afirmaram que a maioria dos cabo-verdianos são livres para dizerem o que pensam sobre a política e seis em dez consideraram que a imprensa é livre para investigar e documentar os erros do Governo ou criticar as suas actividades e dois terços afirmaram que os cidadãos têm liberdade para filiar a qualquer organização partidária.

No que se refere à governação do país, os dados mostram que percepção negativa aumentou em 12 por cento face ao ano de 2014, quando foi realizado o último estudo tendo a percentagem passado de 46 por cento para 58 por cento em 2017.

Outra questão analisada no estudo tem a ver com as condições de vida das pessoas e as condições económicas do país.

Neste particular os resultados apontam também que quase a metade da população cabo-verdiana entende que as condições actuais do país são “más ou muito más” contra apenas 13 por cento que sente que as condições são “boas ou muito boas”.

O representante da Afrosondagem destaca o facto dessa percentagem manter-se “praticamente inalterado” face ao ano de 2014 tanto para aqueles que consideram que o país está bem (47 por cento em 2014 e 47 por cento em 2017) como também para aqueles que consideram que as condições são más ou muito más (14 por cento em 2014 e 13 por cento em 2017).

Apesar da avaliação negativa das condições do país, o estudo mostra que 1/5 dos cabo-verdianos qualificam as suas condições como sendo boas, tendo no ano 2017 registado um aumento de cinco pontos percentuais face a 2014, que passou de 16% para 21 por cento%.

“Isto mostra que os cabo-verdianos tendem a considerar as suas condições de vida melhores do que as condições económicas do país de uma forma geral. Do lado contrário, isto é, aqueles que avaliam negativamente as suas condições de vida houve uma diminuição da percentagem passando de 37 por cento para 31 por cento”, precisou.

No que se refere à comparação das condições de vida dos inquiridos com os demais cabo-verdianos, os resultados apontam que a maioria (49 por cento) considera que tem as condições de vida iguais aos demais cabo-verdianos.

Em relação ao futuro, os cabo-verdianos demonstraram-se “esperançosos”, com 72 por cento dos inquiridos a esperarem que as suas condições de vida melhorem nos próximos 12 meses.

O estudo analisou outros temas relacionados com a insegurança e a agenda política nacional, nomeadamente a regionalização e a possibilidade de isenção de vistos aos portadores do passaporte da União Europeia.

Constatou-se ainda que a regionalização permanece um tema desconhecido por grande parte dos cabo-verdianos e que a percepção de insegurança vem diminuindo ao longo dos anos, mas mesmo assim continua num grau elevado.

O inquérito foi realizado entre 20 de Novembro e 05 de Dezembro de 2017 nas ilhas de Santo Antão, Santiago, São Vicente e Fogo. Cerca de 1200 pessoas foram entrevistadas com 18 anos e mais. O estudo teve um intervalo de confiança de 95 por cento e um a margem de erro de 3 por cento.

ANG/Inforpress


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw