Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 25 de Setembro de 2018
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde:VIH/SIDA/ “A Guiné-Bissau poderá vir a ser produtor de medicamentos ante retrovirais”, diz Califa Cassamá

2018-04-27

(ANG) - A Guiné-Bissau poderá vir a ser produtor de medicamentos ante retrovirais para países da África Ocidental, que conta com 263 milhões de habitantes.



A informação foi avançada hoje pelo Secretário Executivo do Secretariado Nacional de Luta Contra Sida, Califa Soares Cassamá numa conferência de imprensa conjunta com o Grupo Espanhol denominada “Byod África” na qual foram anunciados os investimentos que o grupo pretende levar a cabo no país, no domínio de combate ao VIH/SIDA.

“Os investimentos previstos são, entre outros, o fabrico local de medicamentos ante retrovirais e de dispositivos para diagnosticar a doença”, disse Cassamá.

Aquele responsável sublinhou que a inciativa de investimento denominada “nascer sem sida na Guiné-Bissau” do grupo Byod África tem como objectivo ter uma nova geração sem sida no país”.

O secretário executivo do SNLS disse ainda que o referido grupo aposta na eliminação da transmissão vertical, a contaminação do vírus de sida de mãe para o filho, que é considerada a forma mais fácil de propagação do vírus de sida.

“A instalação da referida fábrica no país, vai permitir não só a melhoria da cadeia de distribuição de medicamentos ante retrovirais mas também vai evitar os episódios de ruptura de stock de medicamentos”, disse Cassamá.

Acrescentou que a instalação da fábrica vai deixar o país mais confortável e melhor preparado para fazer face as metas traçadas pela ONUSIDA que é de zero novas infecções e mortes ligados ao VIH/SIDA até 2030.

Califa Soares Cassamá disse que a iniciativa só irá beneficiar o país razão pela qual pede a colaboração do governo para que o projecto possa se concretizar.

Entretanto, o responsável do grupo “BYOD ÁFRICA” Kwam Arquero disse que a instalação da referida fábrica na Guiné-Bissau será um processo moroso devido estudos prévios que devem ser feitos.

Arquero que não pode precisar a data de implementação do projecto alegando trabalhos preliminares que ainda estão por fazer disse tratar-se de um investimento elevado que requer maior cuidado.

ANG/AALS/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw