Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 21 de Maio de 2018
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Greve na função pública/ UNTG fala em 85 por cento de adesão

2018-05-11

(ANG) - O porta-voz da comissão de greve decretada pela União Nacional dos Trabalhadores da Guiné-Bissau (UNTG), José Alves Té, disse quarta-feira que a adesão à greve observada nos dias 7,8,e 9 do corrente na função pública guineense rondou os 85 por cento..



"Recebemos informações dos nossos pontos focais nas regiões e com os nossos cálculos aqui situamos a adesão em 85 por cento", afirmou, aos jornalistas, José Alves Té.

Os funcionários públicos guineenses iniciaram segunda-feira uma greve, que durou até à meia-noite de quarta-feira, para exigir o cumprimento de um memorando de entendimento assinado com o Governo e que prevê um reajuste salarial.

Segundo o porta-voz, a maior central sindical guineense apenas está a exigir o cumprimento do memorando de entendimento, que prevê um reajuste salarial.

"Nunca a central sindical exigiu um aumento salarial. O que queremos é que na massa salarial existente se faça um reajuste", salientou. José Alves Té disse que já houve cinco encontros com as autoridades guineenses, que estão a pedir um período de 90 dias para criar uma comissão de seguimento para implementar o reajuste salarial.

O porta-voz disse que a UNTG pretende a aplicação imediata do reajuste salarial e um compromisso por parte do Ministério das Finanças.

O ordenado mínimo pago na Função Pública guineense é de 29.500 francos CFA (cerca de 45 euros).

"No último cenário adotado (o reajuste salarial) o salário mínimo sobe para 55.000 francos CFA (cerca de 84 euros)", explicou. O saco de 50 quilogramas de arroz, base alimentar dos guineenses e o mais barato na Guiné-Bissau, custa cerca de 17.500 francos CFA (cerca de 26 euros). A UNTG admitiu continuar a convocar greves até o reajuste salarial ser aplicado. ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw