Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 21 de Maio de 2018
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


CAJÚ/ Guiné-Bissau podia ganhar 10 vezes mais com polpa e amêndoa

2018-05-11

(ANG) - A Guiné-Bissau podia estar a ganhar até dez vezes mais se aproveitasse a polpa e transformasse a castanha de caju em amêndoa ao invés de vender todo produto em estado natural, refere um estudo hoje apresentado.



O estudo, encomendado pelo projeto de reabilitação do setor privado e apoio ao desenvolvimento agro-industrial da Guiné-Bissau , financiado pelo Banco Mundial defende que com a venda de castanha o país arrecadou, em 2016, 115 mil milhões de francos CFA (cerca de 175 milhões de euros). Mas, segundo o inquérito, apenas 10 por cento do potencial do caju guineense é que é aproveitado.

Por exemplo, caso toda polpa de caju produzida no país fosse transformada o rendimento seria de mais 1,1 mil milhões de francos CFA (cerca de 1,6 mil milhões de euros), conclui o estudo, que aponta aquela substância como sendo rica em açúcar, minerais e vitaminas.

O estudo salienta que apenas seis empresas se dedicam à produção de sumos de caju na Guiné-Bissau e o líder do mercado produz 20 mil garrafas por ano, o que perfaz entre 12 a 15 toneladas de toda polpa que é produzida.

Nota-se ainda "uma quase ausência" de outros derivados do caju, nomeadamente a polpa fresca e seca, a compota, os biscoitos do caju, a pasta e o leite.

Em relação à amêndoa, o estudo determina que apesar de a Guiné-Bissau ser o segundo maior produtor de caju em África, tendo produzido 210 mil toneladas em 2017, apenas consegue transformar localmente cerca de 1,4 toneladas de toda a produção. No país, a amêndoa do caju é utilizada apenas como aperitivo e é pouco usado na culinária.

Com uma capacidade teórica instalada para transformar 30 mil toneladas, os industriais do ramo deparam-se com dificuldades para compra do produto, aponta também o estudo.

O documento defende a existência de potencial de mercado a nível interno para a amêndoa e a polpa do caju, mas também refere que o Senegal e Marrocos seriam outros destinos para a compra daqueles derivados da castanha guineense.

O estudo recomenda uma estratégia de marketing para dar a conhecer todos as componentes do caju da Guiné-Bissau, visando primeiramente o mercado interno, sub-regional e só depois os mercados da Europa e da América do norte. "O caju da Guiné-Bissau tem uma fraca notoriedade", salienta o documento.

As conclusões do estudo baseiam-se num inquérito realizado pelo projeto de melhoria do setor privado guineense, realizado a nível interno, no Senegal, Cabo Verde, Gâmbia, Mauritânia, Mali, Serra Leoa, Libéria e Marrocos.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw