Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde/ “Guiné-Bissau sem mínimas condições para tratamento de doenças cardiovasculares”, alerta o cardiologista Mário Gomes

2018-08-17

(ANG) – O médico cardiologista guineense afirmou que o país não dispõe de mínimas condições para tratamento de doençãos cardeovasculares, cujos casos estão a aumentar nos últimos tempos na Guiné-Bissau.



Mário Gomes, em declarações à Rádio Pindjiguiti, explicou que, não obstante o país possuir médicos competentes na matéria, mas em termos de equipamentos não têm nada para tratar doentes com esta patologia.

“O que nos ajuda é a experiência clínica e algumas reciclagens feitas através da internet. Por isso a maioria dos doentes são evacuados para Portugal porque o país tem apenas cerca de 30 por cento de possibilidades, que são poucas para remediar a doença“, explicou.

Gomes frisou que com as constantes instabilidades na Guiné-Bissau vai ser difícil ultrapassar esta triste realidade e que ninguém tem tempo para reciclar os profissionais da área.

“Contudo, não baixamos os braços porque temos feitos contactos e há pouco tempo fala-se de aquisição de um espaço médico onde os técnicos passarão a trocar experiências e conhecimentos no que toca ao tratamento da doença”, disse.

Mário Gomes informou que se tudo correr bem e com a colaboração do Hospital Nacional Simão Mendes, ainda este mês, essa iniciativa pode se tornar uma realidade, lembrando que mesmo os medicamentos de dores de coração são escassos no país, e que os que existem são muito caros.

O médico cardiologista afirmou que é urgente e bem-vinda quem tiver um projecto de abrir uma clinica de cardiologia de ponta na Guiné-Bissau, apesar de ser muito custoso.

Declarou ainda que esta doença preocupa os africanos em geral salientando que existe uma organização na sub-região que luta contra ela, porque nota-se que as doenças cardiovasculares estão a alcançar por exemplo o paludismo, a sida, cólera em termos de numero e mortes e segundo Mariote a doença constitui principal causa de morte dos dirigentes africanos.

ANG/MSC/ÂC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw