Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 15 de Outubro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Óbito/Kofi Annan/ O secretário-geral que viveu um dos períodos mais turbulentos da ONU

2018-08-20

(ANG) – O ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, que morreu sábado aos 80 anos, foi o primeiro africano subsaariano a assumir o cargo e esteve à frente das Nações Unidas num dos períodos mais turbulentos da organização.



“É com grande tristeza que a família Annan e a Fundação Kofi Annan anunciam que o ex-secretário-geral das Nações Unidas e vencedor do prémio Nobel da Paz morreu pacificamente no sábado, 18 de Agosto, após uma curta doença”, publicou a fundação do ex-diplomata ganês num comunicado, divulgado pela agência de notícias AFP.

O antigo secretário-geral da ONU morreu na Suíça, de acordo com a fundação Kofi Annan. O Gana, terra natal de Kofi Annan, decidiu decretar uma semana de luto nacional pela morte do antigo diplomata.

“Onde quer que houvesse sofrimento ou necessidade, [Kofi Annan] tocou muitas pessoas com a sua profunda compaixão e empatia”, disse a fundação no comunicado sobre Annan.

Kofi Annan, que fez a sua carreira profissional nas Nações Unidas, cumpriu dois mandatos como secretário-geral da ONU, entre 01 de janeiro de 1997 a 31 de Dezembro de 2006.

Durante o seu mandato, Annan – que foi galardoado juntamente com a ONU com o prémio Nobel da Paz em 2001 – presidiu alguns dos piores fracassos e escândalos das Nações Unidas, sendo um dos períodos mais turbulentos desde a fundação da organização em 1945.

Liderou a organização durante o conturbado período da Guerra no Iraque (2003-2011), antes de ver o seu registo manchado por acusações de corrupção no caso “petróleo por comida” para o Iraque, tendo sido posteriormente ilibado.

Kofi Annan assumiu o cargo na ONU seis anos após o colapso da União Soviética e no seu mandato o mundo uniu-se contra o terrorismo após os ataques de 11 de Setembro nos Estados Unidos, mas depois dividiu-se profundamente com a guerra liderada pelos norte-americanos no Iraque.

O relacionamento com os Estados Unidos testou-o como líder diplomático mundial. Quando Annan saiu das Nações Unidas, deixou para trás uma organização global mais preocupada com a manutenção da paz e na luta contra a pobreza, estabelecendo a estrutura da resposta do século XXI às atrocidades em massa e a ênfase nos direitos humanos e no desenvolvimento.

Já fora do cargo, Annan nunca saiu completamente da órbita da ONU, tendo retornado em cargos especiais, inclusive como enviado especial da Liga Árabe-ONU para a Síria em 2012.

O antigo secretário-geral da ONU permaneceu um poderoso defensor de causas globais através de sua fundação.

Kofi Atta Annan nasceu a 08 de abril de 1938, em uma família de elite em Kumasi, Gana, filho de um governador provincial e neto de dois chefes tribais. O ex-secretário-geral da ONU compartilhou seu nome do meio Atta – “gémeo” na língua Akan de Gana – com uma irmã gémea, Efua.

Tornou-se fluente em inglês, francês e em várias línguas africanas, frequentando um colégio interno de elite e a Universidade de Ciência e Tecnologia em Kumasi. Koffi Annan terminou a sua graduação em Economia no Macalester College em St. Paul, Minnesota, em 1961.

Em 1965, casou-se com Titi Alakija, de uma rica família nigeriana. Tiveram um filho, Kojo, e uma filha, Ama, mas separaram-se no final dos anos de 1970. Em 1984, Annan casou-se com Nane Lagergren, uma advogada sueca que lhe daria uma filha, Nina.

Após terminar a graduação nos Estados Unidos, partiu para Genebra, na Suíça, onde começou os seus estudos de pós-graduação em Relações Internacionais e lançou a sua carreira na ONU.

Kofi Annan foi responsável pelos recursos humanos das Nações Unidas, depois dos assuntos orçamentais e antes de, a partir de 1993, ser responsável pelas Operações para a Manutenção da Paz.

Quando chefiou o departamento de Manutenção da Paz, a ONU viveu dois dos episódios mais sombrios de sua história: o genocídio do Ruanda e a guerra na Bósnia.

Os capacetes azuis retiraram-se do Ruanda em 1994, sob o caos e a violência étnica. E, um ano depois, a ONU não conseguiu impedir as forças sérvias de massacrar vários milhares de muçulmanos em Srebrenica, na Bósnia.

Esses fracassos, escreveu Kofi Annan em sua autobiografia, “confrontaram-me com o que se tornaria o meu mais importante desafio como secretário-geral: fazer as pessoas entenderem a legitimidade e a necessidade de intervir em casos de flagrante violação dos direitos humanos”.

ANG/Inforpress/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw