Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Cultura
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Cultura/ Netos de Bandim – segunda oportunidade para crianças da Guiné-Bissau

2018-08-21

(ANG) - O grupo de danças tradicionais guineense Netos de Bandim, criado há quase 18 anos, procura ajudar as crianças que vivem em situação de pobreza ou risco de exclusão social, dando-lhes a oportunidade de terminarem os estudos e terem um futuro melhor.



Segundo uma reportagem do jornal português, Diário de Notícias, este verão o grupo coordenado por Ector Diógenes Cassamá, atuou em várias zonas de Portugal e, no próximo dia 24, regressam à Guiné-Bissau.

"Eu tenho cinco filhos, mas na verdade é como se tivesse mais 120, que são os membros atuais dos Netos. Gerir 120 Netos de Bandim significa gerir 120 conflitos [risos].

É complicado, mas com a colaboração de todos, um espírito de irmandade, conseguimos. O interesse do grupo está acima de todos os outros”.

Desde que fundou os Netos de Bandim, incentivado pela ONG AMIC, da qual é hoje contabilista, Ector já viu passarem por ali cerca mais de seis centenas de pessoas.

Com idades que podem ir dos cinco anos aos 50 e tal. Algumas estão hoje a estudar em países como Portugal, Brasil ou Senegal. Mas mantêm sempre o contato. Como uma enorme família.

"Temos crianças órfãs, meninos de criação, vendedoras ambulantes. Foram essas categorias que fui procurar para formar o grupo, a 12 de novembro de 2000, quando a AMIC quis fazer uma campanha de sensibilização dos direitos da criança. O espírito é mesmo o de resgatar as crianças da rua", refere o coordenador, cujo telemóvel não para de tocar.

"Algumas das crianças que integramos não vão à escola, outras vão, mas de forma deficiente, pois passam mais tempo na rua, como vendedores ambulantes, do que com os livros. Alguns, depois de estarem conosco continuam a vender, mas já com uma moderação, porque tem sempre pessoas atrás deles a incentivar”, disse.

Segundo Ector, 50% das receitas da atividade dos Netos de Bandim são destinadas a ajudar as crianças que precisam de apoio na educação e de assistência médica e medicamentosa.

ANG/DN


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw