Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 10 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Brexit/ Inglaterra à conquista de mercados africanos

2018-08-29

(ANG) - A Primeira-ministra britânica, Theresa May, iniciou na África do Sul, um périplo por vários países, que a levará também à Nigéria e ao Quénia.



Uma deslocação com a ambição de preparar acordos comerciais com países africanos para compensar as perdas económicas do Reino Unido depois do "Brexit".

Num discurso pronunciado,terça-feira na cidade do Cabo, a Primeira-ministra britânica, Theresa May disse Presidente Cyril Ramaphosa querer mais investimento britânico no continente africano:

“O meu desejo é que o Reino Unido seja o primeiro investidor do G7 em África em 2022. Como discutimos em Londres, o Reino Unido apoia totalmente o seu objectivo, Sr. Presidente, de atrair mais investimento para a África do Sul, de modo a criar mais emprego e crescimento económico. E eu quero ver as empresas britânicas a desempenharem um papel central na execução destas suas ambições”, disse.

O G7 reúne as principais economias do planeta, com excepção da China, e esta viagem de Theresa May mostra claramente o desejo do Reino Unido de se tornar o principal parceiro deste grupo a fazer negócios, intercâmbios e parcerias com economias africanas fortes, para compensar as perdas económicas previstas pelo Brexit, a saída da União Europeia.

Esta posição britânica é o reflexo da decisão do Reino Unido de sair da União Europeia, depois do referendo de Junho de 2016. Desde aí, o Reino Unido tem vindo a multiplicar os contactos diplomáticos, para preparar acordos comerciais que substituam aqueles que tinham sido estabelecidos com Bruxelas.

Por outro lado, e ainda segundo as palavras de Theresa May, na Cidade do Cabo, "a criação de empregos em África ataca as causas e sintomas do extremismo e da instabilidade, e permite uma melhor gestão dos fluxos migratórios, estimulando um crescimento económico limpo". ANG/RFI


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw