Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 16 de Outubro de 2018
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Medicina Tradicional/ Directora Regional da OMS pede aumento de produção local e manutenção dos padrões de qualidade

2018-08-31

(ANG) – A Diretora Regional da OMS para África, Matshidiso Moeti apelou hoje aos países africanos para aumentarem as parcerias público-privadas e investimentos para o aumento da produção local de produtos medicinais tradicionais, mantendo os níveis de padrões de qualidade que garantem a segurança dos produtos.



Em mensagem, por ocasião do dia mundial da Medicina Tradicional que amanhã, sexta-feira se assinala, Moeti sustentou que isso irá contribuir para que haja cuidados de saúde de qualidade, melhorias, de forma substancial, do acesso a medicamentos essenciais de qualidade, e promoção de uma melhor saúde e bem-estar para as populações africanas.

O comunicado refere que em África mais de 80 por cento de pessoas recorrem à esse serviço - medicina tradicional e que os seus benefícios são evidentes mas que é necessário a sua regulação para permitir uma prestação de serviço e produtos de cuidados de saúde de qualidade, seguros e eficazes.

“A necessidade de harmonização da medicina tradicional com a convencional tornou-se um imperativo e nesse sentido, tanto na região africana da OMS como em muitas outras partes do mundo, foram feitos progressos louváveis para promover o uso seguro e eficaz dos produtos de medicina tradicional”, lê-se no comunicado.

Em àfrica actualmente, segundo o comunicado, mais de 40 paises possuem políticas de medicina tradiconal e cerca de 28 dispõem de instituições de investigação dedicadas à medicina tradicional, masque apenas 21 países possuem leis ou regulamentos para a prática de medicina tradicional.

Na Guiné-Bissau, segundo o comunicado, apesar da medicina tradicional desempenhar um papel importante no sistema de saúde ainda se encontra pouco organizada, pelo que é necessário e urgente a estruturação da sua prática, a fim de desempenhar com eficácia o seu papel, em articulação com a medicina convencional.

Nesta perspectiva, lê-se no documento, “o governo pode contar com os préstimos da Representação da OMS no sentido de regulamentar e valorizar os produtos bem como orientar a prática da medicina tradicional”.

ANG//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw