Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 16 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Portugal/ Passos disponível para ficar à frente de um Governo de gestão

2015-11-05

(ANG)- O Primeiro-ministro de Portugal, Passos Coelho estará disposto a continuar a ocupar o cargo de primeiro-ministro, caso o seu programa de governo seja derrubado por uma moção de rejeição.



O atual primeiro-ministro está disponível a permanecer à frente de um Governo de gestão, até ser encontrada uma solução, caso o Presidente da República decida não dar posse a um Executivo de esquerda liderado pelo PS, avança o Público esta quarta-feira.

“Serei primeiro-ministro até ser substituído, não penso meter baixa, fazer greve, dizer que me vou embora”, afirmou Passos Coelho, de acordo com as informações recolhidas pelo jornal.

“Tenho estado a preparar a ação governativa para ser Governo. Quem derrubar o Governo tem de dizer o que quer fazer, se a maioria absoluta atirar o Governo abaixo tem de dizer o que quer fazer”, acrescenta.

Esta posição vai assim contra as declarações proferidas a semana passada pelo novo ministro da Justiça, Fernando Negrão, em entrevista à Antena 1.

Questionado sobre a existência de um governo de gestão, caso o novo Governo fosse derrubado pelos partidos de esquerda, o novo ministro disse que “tudo aponta para que o Governo não esteja disponível” para essa possibilidade.

Consciente de que o novo Governo não é suportado por uma maioria absoluta e de que vai encontrar algumas dificuldades na Assembleia, Passos ainda admite estar disponível para chegar a um entendimento com o secretário-geral do PS.

“Apresentarei no Parlamento o Governo com o programa sufragado pelos portugueses adaptado à circunstância de existir uma maioria relativa, logo um programa aberto à negociação e ao compromisso e é nessa base que faremos a discussão”, afirmou o primeiro-ministro segundo as informações recolhidas pelo Público.

Sendo quase certo que o seu Governo dificilmente passa no Parlamento, Passos quer portanto manter-se em gestão e esperar para ver os próximos episódios, até porque tem o trunfo na manga de o seu Governo não poder ser dissolvido antes de cumprir seis meses de legislatura.

As decisões de Cavaco também têm feito correr alguma tinta, com algumas pessoas a garantirem que, caso seja necessário empossar António Costa como primeiro-ministro, o atual chefe de Estado o vai fazer.

O atual comentador da SIC, Luís Marques Mendes, é um desses casos. No espaço de opinião que tem ao domingo, o ex-líder do PSD garante que “Cavaco Silva vai dar posse, no futuro, a um governo de António Costa se lhe for apresentado o acordo”. “Parece-me óbvio que é isso que vai acontecer”, disse na altura.

ANG/ZAP


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw