Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 15 de Outubro de 2018
Todas as categorias
Cooperação
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Cooperação/ Grupo Amizade Parlamentar Guiné-Bissau /Portugal felicita aprovação da lei sobre representação feminina na ANP

2018-10-04

(ANG) – A Presidente do Grupo de Amizade Parlamentar Guiné-Bissau /Portugal (GAPGB/P),disse estar satisfeita com a aprovação em 36 por cento da lei de paridade para as mulheres por parte da Assembleia Nacional Popular.



Elza Pais proferiu estas afirmações à saída de uma reunião com a Rede das Mulheres Parlamentares Guineenses (RMPG), e parabenizou as deputadas e os deputados por esta medida, salientando que os três dias de visitas foram muitos frutíferos.

“Digo isso porque sendo um parlamento maioritariamente de homens quero os saudar.

Estas leis são importantes para o desenvolvimento dos nossos países e estou muito satisfeito com a visita e acolhimento”, disse, salientando que os laços que unem as duas nações são fortes e que ainda vão ficar mais fortes com trabalhos conjunto em curso.

Por seu turno, a Presidente da Rede das Mulheres Parlamentares Guineenses disse que foi um imenso prazer receber a Presidente da GAPG-B/P, igualmente deputada do Partido Socialista, que ao longo desta legislatura trabalhou com as mulheres guineenses na elaboração do programa de género.

Suzy Barbosa frisou que a rede que preside está a celebrar a aprovação recente da cota da participação feminina em instâncias de decisão política de 36 por cento, uma lei que já foi trabalhado no sentido de sert transformada em Lei de Paridade, salientando que é um incentivo político para todos os partidos , apesar de ainda não ser promulgada.

Manifestou o intresse de a ver ser aplicada já a partir das eleições legislativas que terão lugar em 18 de Novembro deste ano.

“Continuamos a dizer que não é um favor, mas sim um direito nosso porque representamos 52 por cento da população guineense e temos que ter voz. Não basta estarmos na sociedade, a aplaudir os homens . É preciso nós também defendemos os nossos direitos e devem ser as mulheres a participar na elaboração de políticas publicas relacionadas com a nossa camada”, defendeu.

Barbosa disse que, em comparação com a lei portuguesa sobre as mulheres que foi aprovada inicialmente em 33 por cento possa se dizer que a Guiné-Bissau deu um passo importante, salientando que o próximo passo é realmente conseguir os 40 por cento como se pediu inicialmente.

Para o Presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Guiné-Bissau /Portugal Iafai Sane a presença da deputada portuguesa é um motivo de orgulho, por isso as duas organizações tudo fizeram para que a sua vinda a pátria de Amílcar Cabral seja uma realidade.

“Ela esta cá num momento crucial da vida das nossas mulheres, em que pela primeira vez, foi aprovada a lei da cota a favor da camada feminina, ela é uma guerreira que defende a lei da igualdade em Portugal”, frisou.

ANG/MSC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw