Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Sociedade
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Reajuste salarial/ Funcionários contestam nova grelha adoptada na administração pública

2018-10-05

(ANG) – Os funcionários públicos guineense contestam a forma como estão sendo aplicada a nova grelha salarial na função pública e consideram-na de desigual e discriminatória, apesar de ligeiro aumento salarial verificado.



Em auscultações feitas pela ANG juntos aos bancos comerciais de capital Bissau, onde os funcionários públicos recebem os seus salários, constatou-se as insatisfações enormes relativamente a esta medida do governo ora aplicada.

"É inadmissível esta discriminação neste atual grelha salarial, onde certas instituições são privilegiadas e outras marginalizadas, e muitos funcionários continuam ainda a receber debaixo do salário minimio estipulado pelo governo" diz Djoncu Nhabali, funcionário público.

Segundo Albertina Banjaqui, funcionária das Alfândegas, depois de consultar a sua conta nesta manhã, viu um ligeiro aumento no seu salário, mas que ainda não atinge o salário mínimo estipulado pelo governo no valor de 50 mil fcfa.

Enquanto o Tenente-coronel Mutna Tamba, disse que o seu salário ainda continuou na mesma e não foi reajustado, e salientou ainda que, o ordenado que tem recebido não corresponde com o patente que tem de acordo com a hierarquia militar.

E por sua vez, a funcionária de Corpo de Bombeiros de Bissau, Ângela da Silva Mancabo, disse que o seu salário neste mês foi aumentado, mas ainda ficou longe de atingir o mínimo que tanto esperava e definido pelo governo.

Iato da Silva, funcionário do Ministério da Educação Nacional, admitiu que o seu salário foi aumentado de acordo com a nova grelha aplicada pelo governo e ainda pediu resolução urgente desta situação por quem direito, para estancar as possíveis paralisações que podem advir na função pública provocada por esta medida.

Entretanto contactado hoje pela ANG para esclarecer o assunto, o secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG), disse que o salário mínimo acordado com o Governo é de 50 mil francos mas com os descontos dos impostos, o funcionário leva um montante que pode variar entre 47 à 48 mil líquidos.

ANG/CP/ÂC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw