Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 16 de Outubro de 2018
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Exportação da castanha/ Funcionários de Guichet Único exigem do governo pagamento dos subsídios em atraso

2018-10-08

(ANG) – Os funcionários do Guichet Único de exportação de castanha de caju iniciaram hoje uma greve com duração de 22 dias reivindicando o pagamento dos subsídios de três meses.



Numa entrevista exclusiva à ANG, o Porta?voz da Comissão de Greve, Braima Buaro disse que a paralisação iniciada hoje vai seguir até ao dia 30 do corrente mês, se o governo não atender as suas exigências de pagamento dos três meses de subsídios no valor de 73 milhões de fcfa.

"Este gabinete recolhe mais de 20 bilhões de fcfa durante a campanha de exportação da castanha de cajú e como é possível que os nossos subsídios não estão a ser pagos”, questionou Mamadu Buaro.

Buaro ainda apontou o risco de as castanhas se estragarem devido a humidade nos contentores durantes os dias da greve e as consequências que o país pode sofrer.

Informou que ainda se encontram dezenas de contentores de castanha a espera de serem exportadas mas que, com a greve, tudo fica parado até que a situação fosse resolvida.

Segundo Buaro, trata-se da quarta onde de paralisação daqueles serviços sem que haja por parte do governo uma manifestação do interesse de as partes iniciarem negociações com vista ao encontro de uma solução.

"Estamos abertos a uma negociação séria e não com antiga proposta do governo que se comprometeu a pagar só 20 milhões de francos CFA numa dívida global de 73 milhões. Essa proposta foi rejeitada porque nem sequer atingiu cinquenta por cento" afirmou o Porta?voz da Comissão de Guichet Única de exportação.

O caju é o principal produto de exportação nacional e a campanha deste ano, segundo o FMI, teve impacto negativo no crescimento económico, impossibilitando o alcance dos 6 por cento de crescimento económico previsto no ano passado.

A economia guineense cresceu apenas 4 por cento este ano, em consequência da má campanha de comercialização do caju.

ANG/CP/ÂC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw