Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 15 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ocidente “Ascensão do nacionalismo decorre de mudança social fundamental”, dizem académicos

2018-10-16

(ANG) – A ascensão de partidos nacionalistas no mundo ocidental decorre de uma mudança fundamental nas sociedades, de base mais cultural que económica, defendem dois destacados cientistas políticos especializados em assuntos europeus.



A belga Liesbet Hooghe e o britânico Gary Marks, professores na Universidade da Carolina do Norte, são apontados como os primeiros acadêmicos que identificaram uma clivagem na forma como as populações viam a integração europeia e previram, há uma década, a ascensão dos nacionalismos.

“Chamamos-lhe clivagem porque não traduz uma discordância em relação a políticas, mas algo que afasta as pessoas em relação a assuntos sobre os quais discordam”, explica Marks, numa entrevista à agência Lusa.

“As pessoas que tendem a gostar da Europa, do multiculturalismo, das fronteiras abertas, tendem a ser pessoas com mais formação, especialmente educação superior, que vivem em cidades e exercem ‘profissões sociais’, em que lidam com pessoas a um nível mais elevado”, precisa Hooghe.

Do outro lado, os que privilegiam “uma soberania nacional defensiva, a unidade nacional, que se preocupam com a imigração, tendem a ser pessoas com menos educação e encontram-se mais em zonas rurais”, acrescenta.

Marks frisa que não se trata de classes sociais no sentido tradicional, porque “a diferença entre classes reduziu-se”, e dá como exemplo o eleitorado dos partidos de esquerda, outrora composto sobretudo por trabalhadores manuais, e o dos de direita, por profissionais e empresários, diferença que hoje é residual. “As pessoas formam grupos socioestruturais diferentes e isso vai contra a forma como costumávamos entender a política”, afirma.

“Costumávamos pensar que a instrução libertaria as pessoas da sua origem. Seriam educadas, cognitivamente sofisticadas e tomariam decisões em face dos factos. Seria a individualização da política. Mas isso não aconteceu”, prossegue o investigador.

“Na essência, temos um modelo político em que uma mudança fundamental social leva a que os indivíduos tenham crenças profundamente enraizadas”, precisa.

Marks e Hooghe criaram dois acrónimos que agregam estes novos grupos sociais, que coexistem sem se sobrepor à esquerda e à direita: GAL, ou Green, Alternative, Libertarian (Ambiental, Alternativo, Libertário) e TAN, Tradicional, Autoritário, Nacionalista.

“É uma forma diferente de organizar as ideias”, até porque os partidos nacionalistas “não são a direita radical, muitas vezes são economicamente centro-esquerda, especialmente quanto à protecção social dos nacionais”, explica Marks.

“É muito mais cultural, menos económico”, acrescenta Hooghe. Estas mudanças vão reflectir-se nas próximas eleições para o Parlamento Europeu. “Provavelmente os maiores vencedores vão ser os Verdes, ou partidos como eles que não se chamam assim mas são igualmente transnacionalistas, e por outro lado os nacionalistas”, diz Hooghe.

“As eleições [de domingo] na Baviera são um indicador. Os Verdes quase duplicaram a votação e os sociais-democratas caíram para metade”, acrescenta Marks. Nas europeias, “os partidos GAL-TAN vão aumentar a sua votação e os partidos de esquerda e de direita vão vê-la reduzida”.

“E a tendência é para que, entre os partidos convencionais, a social-democracia, a esquerda moderada, tenda a ter muita dificuldade em manter-se”, adianta Hooghe.

Liesbet Hooghe e Gary Marks foram entrevistados pela Lusa à margem da conferência “A Europa na encruzilhada” que decorreu na segunda-feira no Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa (UL).

ANG/Inforpress/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw