Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 14 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde/ ACOBES denuncia interferências “ocultas” no caso que lhe envolve com a empresa Santy Comercial

2018-10-19

(ANG) – O Secretário-geral de Associação de Consumidores, Bens e Serviços (ACOBES), Bambo Sanhá disse estar preocupado com alegadas interferências de “algumas figuras do Estado” no processo de denúncia que fez sobre “impurezas” que aparecem na Djumbai, cerveja produzida pela empresa Santy Comercial , em Bissau.



Em declarações à ANG, este responsável disse que a sua organização fez uma denúncia relativamente a má qualidade e da existência de impurezas nessa cerveja nociva para o consumo humano, situação, segundo Sanhá, confirmada pelos serviços de inspecção do Ministério da Saúde Pública.

“Foram descobertas muitas embalagens prontos para serem comercializadas que se encontravam na mesma situação. E na altura de averiguação do armazém de estoque deste produto, o advogado da empresa mandou fechar os portões impedindo a equipa do Ministério da Saúde de concluir o seu trabalhos”, afirmou.

Bambo Sanhá disse que solicitara também a intervenção da Polícia Judiciária, que “acabou por confirmar a denúncia da ACOBES”.

De acordo com secretário-geral de ACOBES, as impurezas encontradas na cerveja não precisam de ser observadas no laboratório, porque qualquer um consegue vê-las à olhos nús.

"A própria empresa confirmou a existência de impurezas no produto perante todas as entidades que acompanharam o acto da vistoria nos armazéns, nomeadamente o Ministério de Saúde e a PJ", disse o Secretário-geral de ACOBES.

Segundo Bambo Sanhá, a PJ pediu documentos para confirmar o local de produção, engarrafamento e o certificado de qualidade da referida cerveja mas até então a empresa não lhe deu nada.

Sanhá exorta ao Ministério de Saúde e o Ministério Publico para assumirem as suas responsabilidades perante este facto que considera de preocupante.

“A vida das pessoas estão em risco, e as medidas devem ser tomadas por quem de direito. Nenhuma receita de impostos desta empresa é mais importante que a vida de cidadãos consumidores”, sustenta Bambo.

Pede aos comsumidores de bebibas para serem mais atentos certificando os prazos de validade.

Sanhá lamenta o facto de até então o país não dispor de laboratório para analisar a qualidade dos produtos de consumo.

ANG/CP/LPG//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw