Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 27 de Maio de 2019
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Religião/ Papa visita Marrocos para falar de migração e diálogo com Islão

2019-03-29

(ANG) - O papa Francisco vai realizar no sábado e no domingo (30 e 31), uma visita ao Marrocos, país de maioria muçulmana, para falar do diálogo com o Islão, assim como de migração, dois temas - chave do seu pontificado.



"Cristãos e muçulmanos, irmãos no mundo que precisam de paz", disse o pontífice numa mensagem por vídeo divulgada na véspera da sua 28ª viagem internacional. O sumo pontífice quer manter laços de amizade com o mundo muçulmano e, ao mesmo tempo, está empenhado em visitar as menores comunidades católicas do mundo, que costumam ser esquecidas pela cimeira da Igreja.

Mais de 30.000 católicos vivem no Marrocos. A maioria é composta de estrangeiros procedentes da África subsaariana, estudantes, ou migrantes a caminho da Europa. No domingo, muitos deles assistirão a uma missa num complexo desportivo, algo que não se via desde a visita de João Paulo II em 1985, já que 99% da população é muçulmana sunita.

Como aconteceu durante a sua viagem em Janeiro aos Emirados Árabes Unidos, o papa irá reunir-se com o rei do Marrocos Mohamed VI, assim como com os principais líderes religiosos muçulmanos, e visitará o mausoléu de Mohamed V - gestos a favor da tolerância religiosa.

Nesse mesmo dia, vai reunir-se com migrantes na sede da Caritas de Rabat, onde pronunciará um importante discurso.

Com essa viagem, segundo o Vaticano, o papa deseja dar esperança às minorias cristãs e aos muçulmanos convertidos, que pedem para desfrutar plenamente da liberdade de religião consagrada na Constituição marroquina.

"Sonhamos com um Marrocos livre que assuma a sua diversidade religiosa", pediu, numa nota, a Coordenadoria dos Cristãos Marroquinos.

A organização espera que a visita seja "uma oportunidade histórica" para que o Marrocos se comprometa a fundo com a questão.

Segundo a Constituição marroquina, "o Islão é a religião do Estado, o qual garante a todos o livre exercício dos cultos".

Diferentemente dos Emirados Árabes, o código penal marroquino não prevê pena de morte para os apóstatas do Islão e a regra em geral "é a discrição", explicou um religioso de Rabat.

ANG/Angop


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw