Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 22 de Julho de 2019
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde/ Centro de Prótese se depara com falta de espaço para atender pacientes

2019-03-29

(ANG) - O único Centro de Prótese da Guiné-Bissau está a deparar-se com falta de espaço para maior atendimento de pacientes, alguns com necessidade internamento, provenientes de diferentes regiões do país e de países vizinhos.



Segundo à Radio Sol Mansi, a lamentação é do director do referido centro, João de Pina Araújo, em declarações à imprensa no acto de entrega de alguns materiais de locomoção às vítimas de minas na República do Senegal concretamente na região de Casamansa.

“O Centro de Prótese da Guiné-Bissau recebe pacientes de diferentes regiões do país assim como os da sub-região, por isso, é necessário mais espaço para que possamos atender melhor os nossos pacientes”, disse aquele responsável. João de Pina Araújo explicou que actualmente estão internadas no Centro, 47 pessoas e que 15 das quais são suportadas pelo Centro e os restantes recebem apoio da organização não-governamental (AIDA) e da Cruz Vermelha Internacional. O director do Centro de Prótese informou que muitos pacientes vindos da República vizinha de Senegal alugam casas para ficar porque o centro não tem espaço suficiente para os albergar. Segundo Pina Araújo o Centro atende cerca de 70 doentes por mês , nacionais e estrangeiros vindos de Senegal, Guiné-Conacri e Gâmbia. O Centro de Prótese da Guiné-Bissau , criado em 1989,situa-se no Bairro de Quelélé, arredores de Bissau e atende os doentes afectados com paralisia, acidente vascular celebrar (AVC), e pessoas que necessitam de próteses. O referido Centro ficou parado na sequência do conflito armado de 1998 à 1999, reabriu em 2004 e desde então, segundo Pina Araújo, “a procura tem vindo a aumentar tendo em conta a qualidade de serviço oferecido”. ANG/AALS/AC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw