Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 22 de Julho de 2019
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Economia/ "Um país que depende só de um sector para o crescimento terá sempre uma economia instável", diz Geraldo Martins

2019-04-05

(ANG) – O Economista e Ex Ministro das Finanças da Guiné-Bissau, Giraldo Martins, disse quinta-feira que quando um país depende de um sector para o seu crescimento económico terá sempre instabilidades no seu Produto Interno Bruto (PIB).



Geraldo Martins defendeu esta posição numa palestra com os estudantes da Universidade Lusófona da Guiné. E disse ainda que é preciso o que o país diversifique a sua economia para não depender só da castanha de caju.

Segundo este economista, actualmente a economia do país depende do sucesso e insucesso da campanha de caju, que segundo ele, não devia ser.

"A Guiné-Bissau dispõe de vários recursos naturais: Os nossos mares, florestas e minas que precisam de ser explorados de forma racional e sustentável para o bem da população para melhorar as condições das suas vidas", referiu.

O economista alerta sobre o perigo da dependência de um produto que depende do mercado externo, e que é exportado em bruto, sem capacidade de transformação local.

Acrescentou que , quando o preço deste produto cai no exterior e a economia do país é automaticamente afectada por essa queda.

"E preciso, urgentemente, proceder a transformação local de caju e a diversificação da nossa economia para responder as necessidades da população e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos" defendeu

Geraldo Martins também mostrou-se satisfeito pela partilha que fez com os estudantes e se predispôs a participar e dar a sua contribuição em eventos do género.

Ainda ressaltou a pertinência do tema debatido - “Crescimento económico e o empreendedorismo juvenil”.

Na sua opinião, o estado deve criar condições para os jovens se empreenderem e criar postos de empregos para mudar a tendência de o estado continuar a ser o maior empregador na Guiné-Bissau.

Disse que é preciso baixar as taxas praticadas pelos bancos, para o acesso aos empréstimos para os seus projetos, para que os jovens principiantes no mundo empresarial consigam financiamentos, e terem também acompanhamento especializados nas execuções dos seus projetos.

O presidente de Associação Académica da Universidade Lusófona da Guiné AAULG, Abulai Djaura, disse ter ficado satisfeito com o debate académico facilitado por Giraldo Martins, que segundo ele, foi um orador à altura do tema.

Também declarou que a Associação Académica continuará a promover incitavas do género para enriquecer e atualizar estudantes com ferramentas precisos que visam fazer crescer a economia e combater a pobreza.

ANG/CP//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw