Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 22 de Julho de 2019
Todas as categorias
Justiça
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Caso arroz da China popular/ Primeiro-ministro encoraja a Policia Judiciária a prosseguir com inquérito

2019-04-08

(ANG) – O Primeiro-ministro Aristides Gomes encorajou em comunicado à imprensa a Policia Judiciária (PJ) a prosseguir com o inquérito para apurar irregularidades verificadas na distribuição do arroz doado pela República Popular da China.



Por via desse comunicado, à que ANG teve acesso hoje, o chefe do governo disse que sempre instruiu o ministro de Agricultura e Desenvolvimento Rural, Nicolau dos Santos, para que o armazenamento do arroz continue em Bissau e que as operações sejam efectuadas a partir daí, na sua presença, sob orientação de uma comissão coordenada pelos governadores regionais.

Ainda, conforme o comunicado do Gabinete do Primeiro-ministro Aristides Gomes, o armazenamento do arroz em Bissau visa assegurar a transparência na sua distribuição.

No comunicado o Primeiro-ministro assegurou que qualquer versão visa simplesmente deturpar as linhas da sua orientação.

A República Popular da China ofereceu ao governo guineense mais de dois mil sacos de arroz, destinado às comunidades mais carenciadas.

Parte desse arroz foi descoberta num armazém em Bafatá, Leste da Guiné-Bissau, na sequência de uma investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária, que entretanto já determinou a detenção de algumas pessoas implicadas numa alegada venda do mesmo arroz.

Numa recente declaração em conferência de imprensa, o ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Nicolau dos Santos alegou que o arroz foi guardado em Bafatá para depois ser distribuído , com conhecimento do Primeiro-ministro.

Dos Santos reagiu dias depois da PJ ter denunciado o caso e revelado a detenção de um alto responsável regional de agricultura. Segundo a PJ guineense, mais implicados poderão ser revelados e responsabilizados judicialmente por esse alegado desvio de arroz cuja venda fora proibida.

ANG/LPG/ÂC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw