Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 23 de Julho de 2019
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Caso Khashoggi/ EUA aplicam sanções à 16 sauditas

2019-04-09

(ANG) - O governo dos Estados Unidos proibiu, na segunda-feira, a entrada de 16 cidadãos sauditas supostamente envolvidos no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, no ano passado, no consulado da Arábia Saudita, em Istambul (Turquia), segundo noticiou a EFE.



Todos eles já haviam recebido sanções económicas de Washington em Novembro passado, que consistia no congelamento de activos nos EUA e a proibição aos cidadãos americanos de fazerem transferências com eles ou suas empresas. No grupo de 16 aparece o nome de Saud al Qahtani, um dos conselheiros mais próximos do príncipe herdeiro saudita, Mohammad bin Salman.

Também o então cônsul-geral saudita em Istambul, Mohammad al-Otaibi, e os agentes que viajaram de Riad para a Turquia para o assassinato de Khashoggi.

A nova proibição de entrada nos Estados Unidos, anunciada pelo secretário de Estado Mike Pompeo, é justificada nos casos em que Washington tem "informações confiáveis de que funcionários do governo estrangeiro foram envolvidos em actos significativos de corrupção ou graves violações de direitos humanos". Além dos 16 indivíduos, a proibição de entrada no país também afecta as suas familiares directos.

Khashoggi, que morava em Washington, foi ao Consulado da Arábia Saudita em Istambul no dia dois de Outubro para buscar alguns documentos que lhe permitiriam casar com a sua noiva turca, mas ele acabou sendo assassinado no local.

Após o seu desaparecimento, a Arábia Saudita defendeu que Khashoggi tinha saído com seus próprios pés do consulado, mas com o passar dos dias, a pressão internacional e as provas recolhidas pela Turquia, que tem uma gravação do ocorrido, o reino admitiu que o jornalista morreu em suas dependências.

Embora essa primeira versão alegasse que Khashoggi morreu em uma briga, Riad, mais tarde, reconheceu que foi um assassinato premeditado.

No consulado, Khashoggi era esperado por cerca de 15 agentes sauditas que tinham chegado a Istambul a noite anterior, entre eles quatro membros do esquema de segurança do príncipe saudita, que até o momento nega qualquer tipo de participação no crime.

ANG/Angop


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw