Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 23 de Julho de 2019
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Repórteres Sem Fronteiras/ Hostilidade contra jornalistas torna exercício da profissão mais perigoso no mundo

2019-04-18

(ANG) - O número de países seguros para os jornalistas continua a cair no mundo, devido a uma hostilidade contra o exercício da profissão, segundo o relatório anual da ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF), que aponta que a maior deterioração ocorreu nas Américas do Norte e do Sul, com o prenúncio de um período sombrio no Brasil, noticiou a AFP.



O país perdeu três posições (105 entre 180 países) no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa, e se aproxima da zona vermelha, com quatro jornalistas assassinados.

A eleição de Jair Bolsonaro, após uma campanha marcada pelo "discurso de ódio, a desinformação, a violência contra os jornalistas e o desprezo aos direitos humanos, prenuncia um período sombrio para a democracia e a liberdade de imprensa".

"A hostilidade contra os jornalistas e inclusive o ódio do qual fazem eco dirigentes políticos em muitos países, acabou provocando agressões mais graves e frequentes" contra estes profissionais, o que suscita um "clima de medo inédito em alguns lugares", condenou nesta quinta-feira (18) a ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF).

A RSF lembra o papel primordial que o WhatsApp teve na campanha eleitoral brasileira. Pelo aplicativo circularam, por exemplo, informações falsas destinadas, sobretudo, a desacreditar o trabalho de jornalistas críticos ao candidato Bolsonaro.

No ranking dos 180 países avaliados, apenas 24% (26% em 2018) estão em situação boa ou relativamente boa.

A Noruega se mantém pelo terceiro ano consecutivo na primeira posição, seguida de Finlândia e Suécia.

Fecham a lista o Turcomenistão, antecedido da Coreia do Norte. Também na lanterna, a China perdeu uma posição (177), assim como a Rússia (149), onde o Kremlin "acentuou a pressão" sobre os meios independentes e a Internet, "com detenções, revistas arbitrárias e leis liberticidas".

Os Estados Unidos (48) perderam três posições e entram na zona "problemática". Além das declarações do presidente Donald Trump contra a mídia, "os jornalistas americanos nunca tinham sido alvo de tantas ameaças de morte", nem recorrido de forma tal à segurança privada para sua protecção pessoal, segundo a RSF.

A ONG, sediada em Paris, destaca ainda que a perseguição de jornalistas que incomodam as autoridades "parece agora não ter limites". Cita o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi no consulado de seu país na Turquia, que "enviou uma mensagem assustadora aos jornalistas para além das fronteiras da Arábia Saudita ".

A Espanha subiu duas posições no ranking (29) e a França, uma (32). O informe aponta que América do Norte e do Sul registaram a maior deterioração regional.

A melhora sutil registada em 2018 na América Latina "foi breve", visto que o ambiente em que trabalham os jornalistas é "cada vez mais hostil". As eleições em países como México (144), Brasil (105), Venezuela (148) e Colômbia (129) provocou um "recrudescimento dos ataques contra jornalistas, praticados sobretudo pela classe política, funcionários públicos e ciber militantes".

Estes incidentes "contribuíram para reforçar um clima de desconfiança generalizada - às vezes de ódio - contra a profissão".

A Nicarágua registou uma das quedas mais significativas do mundo (114, perdendo 24 posições), segundo a RSF, que denuncia que os jornalistas que cobrem as manifestações contra o governo do presidente Daniel Ortega, considerados opositores, são frequentemente agredidos. "Muitos se exilaram para evitar ser acusados de terrorismo", indica o informe.

Embora a chegada ao poder do presidente Andrés Manuel López Obrador "tenha acalmado um pouco" as relações entre o poder e a imprensa, o México continua sendo o país mais perigoso do continente para os jornalistas, com dez assassinatos em 2018.

A Venezuela perdeu cinco posições, aproximando-se da zona negra do ranking. O viés autoritário do governo de Nicolás Maduro provocou um aumento da repressão contra a imprensa independente, enquanto a RSF registou um número recorde de prisões arbitrárias e actos de violência praticados por forças de ordem e serviços de Inteligência. Muitos jornalistas tiveram que se exilar, enquanto jornalistas estrangeiros foram detidos e, inclusive, expulsos.

Cuba se manteve como o pior colocado na região (169), apesar de subir três posições, caminho pelo qual segue a Bolívia (113, perda de três posições). Para a ONG, o presidente boliviano, Evo Morales, segue o "modelo cubano", controlando a informação e censurando "as vozes demasiadamente críticas ".

"Alvo frequente" de ataques armados à imprensa, vítima ainda de pressões e de tentativas de intimidação de parte da classe política, El Salvador perdeu 15 posições e ficou em 81º lugar.

ANG/RFI


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw