Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sábado, 25 de Maio de 2019
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ Líder de PUN considera de falaciosa justificação do Chefe de Estado para não nomear Primeiro-Ministro

2019-05-13

(ANG) - O líder do Partido da Unidade Nacional (PUN),considerou hoje de enganador o argumento do Presidente da República que condiciona a nomeação do novo Primeiro-ministro com o entendimento na Assembleia Nacional Popular (ANP).



Idrissa Djaló falava hoje numa conferência de imprensa disse que não há crise no parlamento guineense, mas sim a reprovação, através de uma votação dos deputados, do nome do coordenador do Movimento para Alternância Democrática (Madem-G-15),Braima Camará para as funções de segundo vice-presidente do hemiciclo, que para assumir essa função precisa dos votos de PAIGC e seus aliados.

“Como rivais políticos, o Braima Camará e o seu movimento não podem esperar que depois de todo o conflito político que passaram, o PAIGC vai- lhe dar benefícios políticos ou prendas”, questionou Djalo para acrescentar que , “logicamente que não”, porque na política cada um defende os seus interesses .

O político disse que o coordenador do Madem – G-15 controla o Presidente da República como uma marioneta, aceitá-lo como o segundo vice-presidente da ANP, estar-se-a a entregar a esta pessoa e o seu partido chaves do poder da Guiné-Bissau, o que não foi decidido nas urnas.

Para Djaló , o que está a acontecer no parlamento guineense não passa de um exercício da democracia.

Salientou que a ANP esta a funcionar, há uma maioria clara e uma mesa constituída e se o Madem ainda duvida disso, que apresente, de novo, o nome de Braima Camará para a votação.

“Por razões simplesmente políticas os partidos da nossa aliança não vão votá. É tão simples ou seja não se trata de uma questão religioso ou tribal, trata-se da política, de pura política e isto é a democracia e um direito de cada deputado votar com a sua consciência e da sua crença política ”, frisou.

Questionado sobre qual será o passo seguinte para se sair do empasse político uma vez que José Mário Vaz na semana passada condicionou a nomeação do novo Chefe do Governo ao entendimento no parlamento Djaló reafirmou a sua posição de que não há crise na ANP,salientando que o Chefe do Estado uma vez no final do seu mandato tem medo do seu passado.

Referiu que José Mário Vaz tem a consciência de que no dia 23 de Junho deste ano termina o seu mandato e que vai ser confrontado com os crimes que já tinha cometido no passado que vão ser julgados porque até aqui esta a beneficiar da imunidade que vai acabar.

“Está perdido, e com medo . Esta a tentar, por todos os meios, provocar o caos no país”, afirmou Idrissa Djaló

O líder do PUN, um dos aliados do PAIGC, salientou ainda que está a espera que o Madem-G15 e o Partido da Renovação Social (PRS) ,enquanto partidos democráticos, se posicionem claramente sobre o funcionamento da democracia guineense, “porque assumiramm publicamente que as eleições são a única via para chegar ao poder na Guiné-Bissau”.

ANG/MSC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw