Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 20 de Agosto de 2019
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde/ Escritório regional de OMS para África promove curso sobre financiamento em saúde nos PALOP

2019-05-20

(ANG) – O Escritório regional de Organização Mundial para Saúde (OMS) promoveu esta segunda-feira um curso sobre financiamento em saúde nos Países Africanos da Língua Portuguesa (PALOP) com duração de quatro dias.



Na ocasião o representante da OMS para Guiné-Bissau, disse que a resolução das Nações Unidas (ONU) reafirma o papel de liderança da sua organização no apoio aos países para responderem aos desafios da implementação da cobertura universal de saúde.

Jean Marie Kipela informou que a cobertura universal de saúde tem como objectivo, garantir que todas as pessoas obtenham os serviços de saúde de que necessitam sem prejuízos financeiros.

Pediu aos estados membros para que adoptem uma abordagem multissectorial, trabalhando os determinantes sociais ambientais e económicos da saúde, de forma a reduzir as desigualdades e permitir o desenvolvimento sustentável.

Encorajou o aumento das receitas por meio de angariação de fundos para saúde, redução das barreiras financeiras ao acesso por meio de pré-pagamento e posterior agrupamento dos fundos, ao invés de pagamento directos pelos utentes.

Para que esta iniciativa tenha sucesso, disse que é necessário que cada um dos participantes esteja focado, com forte intuito de aproveitar a discussão e troca de experiências, que serão aplicadas no desenvolvimento das estratégias e reformas de financiamento da saúde nos seus países.

Por sua vez, em representação do governo guineense, o Ministro da Educação disse que a dura realidade é de que as condições para estar em sintonia dos compromissos acima referidos não coadunam com a descontinuidade da desgovernação e dos programas macro económico da Guiné-Bissau.

Camilo Simões Pereira explicou que o Orçamento Geral do Estado (OGE) para a saúde não ultrapassa os onze por cento.

Pediu aos participantes para aproveitarem esta oportunidade para trabalhar em conjunto com ministério das finanças, a fim de aumentar o OGE para as áreas sociais principalmente o sector de saúde.

Esse treinamento vem sendo organizado na região africana, com base na resolução WHA64.9 da Assembleia MUNDIAL da Saúde desde em Maio de 2011, nos países anglófonos e francófonos.

A Guiné-Bissau é o primeiro país lusófono a ter esta oportunidade, para que todos possam estar no mesmo nível.

ANG/JD//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw