Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 17 de Junho de 2019
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Greve da EAGB/ Presidente do Sindicato de Base explica razões da suspensão da paralisação

2019-05-23

(ANG) – O Presidente da Sindicato de Base da Empresa de Electricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB), disse que suspenderam a greve de três dias que tinham agendado para os dias 19 à 21 do corrente mês para dar benefício de dúvidas ao Governo.



Em conferência de imprensa realizada hoje em reacção as recentes declarações do ministro da Energia e dos Recursos Naturais, segundo as quais o Sindicato violou os postos de transformação da corrente eléctrica da capital Bissau para cortar a luz.

“Devo esclarecer ao ministro Serifo Embalo que as pessoas que desligaram os postos de transformação da corrente eléctrica são técnicos qualificados na área com experiências profissionais de cerca de 20 à 30 anos de serviço”, explicou.

Aquele responsável sindical informou que foram os mesmos técnicos que voltaram a ligar a luz quando as partes chegaram a um consenso para o efeito.

“Vou informar a população da capital Bissau de que o Sindicato de Base da EAGB ligou a luz por ser tolerante, e não devido as ameaças do ministro da Energia”, disse.

Alsau Lopes da Costa sublinhou que não ligaram a luz por causa do ministro da Energia mas sim para minimizar os sacrifícios dos pacientes internados no Hospital Nacional Simão Mendes.

“No dia do a pagão da luz em Bissau fomos até ao Hospital Simão Mendes e constatamos que os doentes internados estavam a deparar-se com enormes dificuldades no que toca com o abastecimento da luz e água”, frisou.

Afirmou que o ministro da Energia tinha prometido liquidar os salários em atraso devidos aos funcionários da EAGB dentro de três dias, acrescentando que até hoje ninguém recebeu um tostão.

O Sindicato de Base da EAGB reivindicam, entre outras, dois meses de salários em atraso referentes ao ano em curso.

O a pagão devido a greve foi observado até ao princípio da noite do dia 19, primeiro dia de greve.

ANG/ÂC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw