Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 18 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Sociedade/ Governo e ONU promovem campanha de "16 dias de Activismo sobre Violência Baseada no Género"

2015-11-25

(ANG) – A Ministra da Mulher Família Coesão Social (MMFCS) presidiu hoje a cerimónia solene de abertura da jornada dos "dezesseis dias de activismo contra a violência baseada no género".



O evento decorre ate ao dia 10 de Dezembro e eh organizado conjuntamente pelo governo e a ONU Mulher e visa sensibilizar as pessoas para acabar com a violência doméstica e descriminação das mulheres.

Na ocasião a Ministra da Mulher Família e Coesão Social Valentina Mendes, revelou que a comemoração desta efeméride, que tem por lema “De Paz no Lar à Paz no Mundo, Força Educação Seguro Para Todos”, reveste-se de uma importância particularmente para a sociedade guineense.

De acordo com Valentina Mendes, o acto constituí um momento importante para todos reflectirem de forma seria e responsável sobre o fenómeno em causa e contribuírem na definição de estratégias para combater estes e demais comportamentos que põe em causa a dignidade das mulheres, nomeadamente, violência doméstica, exclusão e descriminação social.

A governante convidou as Instituições estatais, a sociedade civil, Organismos Internacionais, representantes de países acreditados na Guiné-Bissau, e de mais parceiros do governo, para juntos fazerem parte do grande movimento de promoção dos direitos humanos e da mulher, em particular.

Por seu turno, a Presidente e Secretária Executivo da Rede Nacional de Luta contra Violência baseada no Género (RENLUV), sublinhou ter chegado o momento dos pais e encarregados da educação inverterem a estratégia de educar, ou seja, devem começar a inculcar com ênfase conceitos como a equidade e igualdade de género nas mentes das suas crianças.

Aissatu Injai denunciou que apenas de Janeiro a esta data a sua organização registou 311 denúncias de violências dos quais, 265 foram cometidas contra mulheres. "Isso demonstra que as acções de sensibilização devem continuar a todos os níveis, para uma mudança de comportamento", acrescentou.

“Estamos orgulhosos pelo facto da Guiné-Bissau ser um dos países que adoptou medidas adequadas para combater atentados e demais praticas nefastas contra e ainda aprovou a lei que criminaliza a violência doméstica e a pratica de mutilação genital feminina”, realçou Marie Letícia Kasiren, em representação do Secretário-geral das Nações Unidas (UN).

ANG/LLA/JAM


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw