Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 20 de Setembro de 2019
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ PUN acusa Chefe de Estado cessante de inviabilizar acção do Procurador Geral da República

2019-07-11

(ANG) – O Presidente do Partido da Unidade Nacional (PUN) disse que as recentes declarações de Chefe de Estado cessante José Mário Vaz inviabilizam a açcão do recém-nomeado Procurador-Geral da República(PGR).



Idrissa Djaló que falava numa conferência de imprensa citou as recentes declarações de José Mário Vaz em que instou o Ministério Público para averiguar o caso do desaparecimento dos doze milhões de dólares doados por Angola, como apoio ao Orçamento Geral de Estado.

O caso 12 milhões de dólares de Angola data de 2011 e envolve o ex-primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior e José Mário Vaz, na altura ministro das Finanças.

Idrissa Djalo ainda acusou o chefe de estado cessante de não ter cumprido a decisão da CEDEAO sobre a nomeação do novo PGR.

A CEDEAO recomendara que o novo PGR seja nomeado por José Mário Vaz através de uma lista de três nomes propostos pelos partidos da maioria parlamentar, o que não se verificou.

Djaló acusa o Presidente cessante de nomear o novo PGR, com intuito de perseguir seus adversários, mas disse que duvida se o mesmo aceitará tal missão.

Mudando de assunto, o líder do PUN considerou a legislatura de 2008 à 2012 a mais sangrenta na história da Guiné-Bissau, porque segundo afirmou, “ceifou vidas de muita gente, nomeadamente, de João Bernardo Vieira, Roberto Ferreira Cacheu, Hélder Proença, Baciro Dabó e outros”.

Afirmou que existe uma” organização criminosa” que adiou o desenvolvimento do país, desde 1998, tendo mencionado os nomes de José Mário Vaz e Carlos Gomes Júnior para dizer que durante os seus mandatos houve muitas mortes que não foram esclarecidas.

Idrissa Djalo considerou os cinco anos de mandato de José Mário Vaz como sendo marcados de” trapaça, corrupção” entre outros males.

Por isso, disse que os dois não devem se candidatar nas próximas eleições presidenciais por terem feito uma “governação sangrenta e fraudulenta”.

ANG/JD/AC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw