Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 22 de Setembro de 2019
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Turismo internacional/ OMT fala de um crescimento de 4% em 2019

2019-09-10

(ANG) - O turismo internacional cresceu 4% no primeiro semestre de 2019, com melhorias notáveis no Oriente Médio, na Ásia e no Pacífico, mas registrou um recuo na América do Sul, de acordo com um relatório da Organização Mundial do Turismo, publicado segunda-feira (9).



Os destinos da América do Sul sofreram uma queda de 5%. O motivo, segundo a OMT, é o declínio do turismo argentino, que afetou os países vizinhos.

A agência,sediada em Madri, também alertou para uma queda nos gastos com turismo das duas grandes economias latino-americanas, Brasil (-5%) e México (-13%) Globalmente, depois de dois anos com crescimento de 7% em 2017 e 6% em 2018, "o Brasil está retomando sua tendência histórica", afirmou a agência da ONU. Em geral, o número de turistas internacionais aumentou, chegando a 671 milhões - 30 milhões a mais do que no mesmo período de 2018.

A OMT planeja fechar o ano com uma melhoria de 3% a 4%. A agência atribui esses resultados à força econômica, acessibilidade e conectividade dos voos e à maior facilitação de vistos, mas também alerta para ameaças ao setor.

"Os indicadores econômicos mais fracos, a incerteza prolongada sobre o Brexit, as tensões comerciais e tecnológicas e os crescentes desafios geopolíticos começaram a afetar a confiança de empresas e consumidores", alerta em seu comunicado.

A primeira metade de 2019 foi especialmente positiva para destinos no Oriente Médio, que registraram um aumento de 8% nas chegadas, e na Ásia e no Pacífico, onde cresceram 6%, graças principalmente aos turistas chineses.

O restante dos mercados também melhorou, mas com mais moderação. A Europa cresceu 4%, devido, em parte, à demanda inter-regional, e os EUA e a África, 2%. Nessas duas últimas áreas, os resultados do norte da África se destacam, com 9% após o golpe sofrido no início da década, e o Caribe (+11%), impulsionado pelos Estados Unidos.

ANG/RFI/AFP


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw