Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 22 de Setembro de 2019
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ PRS exige ao primeiro-ministro “imediata” clarificação da situação da droga apreendida

2019-09-10

(ANG) – O Partido da Renovação Social(PRS), exige ao primeiro-ministro a “imediata”, clarificação da situação da droga apreendida e dos autores implicados no crime que o partido diz ser Aristides Gomes o suspeito número um.



Em comunicado distribuído hoje à imprensa, o PRS qualificou de demasiada coincidência a circulação de cocaína no país em períodos em que o governo do PAIGC dirigido por Aristides Gomes assume o poder.

Na passada semana, a Polícia Judiciária desencadeaou duas operações durante as quais foram apreendidas 1869 quilos de cocaínas nas localidades de Canchungo e Caio no Norte do país e nas quais foram detidas oito pessoas de diferentes nacionalidades, nomeadamente quatro guineenses, três colombianos e um maliano.

“Entretanto felicitamos e encorajamos a Polícia Judiciária e o Ministério Público a prosseguir com as suas acções de investigação de forma isenta, afastando-se de qualquer interferência da índole política, para apurar a veracidade dos factos e em consequência, responsabilizar criminalmente, os infractores com todo o rigor da Lei”, disse os renovadores no comunicado produzido pelo gabinete jurídico do partido.

No que tange aos preparativos para as próximas eleições presidenciais de 24 de Novembro, o PRS afirma que neste caso em concreto, o que deveria ter sido feito pelo Governo, era simplesmente a actualização dos dados, o que é da Lei, uma vez que os dados produzidos no recenseamento passado, permanecem válidos também para om processo eleitoral subsequente.

“Esta seria mais saudável para o nosso frágil Estado de direito democrático, além de ser abrangente e mais eficaz”, frisou.

No comunicado, o PRS questionou ainda do porquê da não convocação até agora da sessão plenária para “o necessário e urgente exercício democrático” pelos representantes do Povo, o que evitaria o agudizar da crise política que colocou o Governo de Aristides Gomes, numa encruzilhada ficando reduzido a um governo de mera gestão.

“Neste caso, o PRS aproveita para advertir aos dirigentes do PAIGC de que está fora de questão qualquer manobra de fazer o país voltar a situação da passada legislatura em que as portas da Assembleia Nacional Popular(ANP), mantiveram fechadas durante três anos consecutivos, por vontade dos que estiveram a frente daquele órgão legislativo por excelência”, lê-se no comunicado.

ANG/ÂC//SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw