Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 16 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


COP21/ Contagem regressiva para um acordo sobre destino do planeta

2015-12-10

(ANG)- Os negociadores sobre a mudança climática iniciaram esta quinta-feira uma contagem regressiva para concluir um acordo sobre o destino do planeta, com dúvidas sobre a ambição do texto histórico e críticas entre países ricos e em desenvolvimento.



Oficialmente, a Conferência de Paris sobre o Clima (COP21) termina na sexta-feira. Os 195 países passaram a madrugada de quinta-feira revisando o texto.

Três pontos devem provocar divergência até o fim da conferência.

O primeiro é a diferente responsabilidade dos países ricos e das nações em desenvolvimento.

O segundo é como financiar a luta contra o aquecimento global e o terceiro a ambição a longo prazo, ou seja, como reduzir as emissões de gases do efeito estufa e seguir para uma economia sem dependência das energias fósseis.

"Peço que não voltem a abrir os compromissos que já concluímos e que nos concentremos nos pontos políticos que ainda exigem um trabalho importante", disse o presidente da COP21, o chanceler francês Laurent Fabius.

Um novo texto será apresentado durante a sessão desta quinta-feira.

Negociadores e observadores concordam que mais da metade do trabalho está pronto, mas que o mais difícil ainda precisa ser definido. A questão não é mais se existirá ou não um acordo em Paris, mas que tipo de acordo.

"Estamos a viver um fenómeno que acontece em todas as negociações, um reposicionamento de todos os governos", declarou à AFP a presidente da organização World Wild Forum, a ex-ministra equatoriana Yolanda Kakabadse.

As posições se tornam mais rígidas, mas também surgem novas alianças, como a que uniu nas últimas horas a União Europeia, Estados Unidos e quase 100 países mais vulneráveis.

Os países mais afectados pelo aquecimento do planeta, como as ilhas ameaçadas pela elevação do nível dos oceanos, não estão dispostos a deixar escapar a oportunidade de um acordo que consideram de vida ou morte.

O tema que cristaliza a obsessão é o que praticamente domina o acordo de Paris: limitar o aumento da temperatura do planeta a 1,5ºC ou a 2ºC.

Estados Unidos e UE concordam neste ponto e, ao lado dos aliados menos desenvolvidos, desejam um acordo o mais ambicioso possível.

Mas as divisões voltam a aparecer em outros pontos entre ricos e pobres.

O centro das discussões em Paris passa pelas "responsabilidades comuns mas diferenciadas" que todos os países aceitaram na Cimeira da Terra do Rio de Janeiro em 1992 e que agora opõe os países emergentes e os desenvolvidos sobre quem deve assumir os custos.

ANG/RFI


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw