Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 13 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Presidente da República afirma que em nenhum momento falou da queda do Governo

2015-07-03

(ANG) - O Presidente da República afirmou que em nenhuma circunstancia se pronunciou-se sobre a queda ou não do Governo liderado pelo Domingos Simões Pereira.



Em mensagem à Nação pronunciada hoje perante os deputados na Assembleia Nacional Popular, José Mário Vaz disse que os últimos 12 meses decorridos foram marcados por momentos políticos e sociais que deram azo à vários posicionamentos, interpretações, comentários, enviados especiais do exterior e inúmeras delegações à Presidência da República.

O chefe de Estado sublinhou que à volta disso muitas coisas foram ditas, tantas especulações, muitas insinuações são lançadas minutos a minutos e todos os dias.

"Enquanto Presidente da República quero garantir-vos que estes rumores são infundados à luz do que tem sido a minha actuação até aqui. Aliás, em todas as minhas intervenções públicas nunca demonstrei tal intenção, antes pelo contrario, tenho chamado a atenção para a necessidade das instituições desempenharem as suas funções com competência e no estrito cumprimento do está estabelecido constitucionalmente com vista a proporcionar a nossa população melhores condições de vida", esclareceu.

Mário Vaz disse que enquanto primeiro magistrado da nação, não se move por rumores, especulações e nem tão pouco por insinuações. Declarou que, quem o fez saberá as motivações que o levou a tal posicionamento, pois a "hora é de acção e não de palavras".

O Presidente da República sublinhou que a sua mensagem à Nação e à Assembleia Nacional Popular visa sobretudo estancar a referida hemorragia de boatos, e especulações, desbloqueando assim o país e imprimindo uma maior dinâmica às instituições da República.

Revelou que o povo espera muito deles e com toda a legitimidade.

"Por isso, nestas horas difíceis, renovo a minha habitual exortação para que nos concentremos mais no trabalho, como costumo dizer, para as meter mãos na lama", explicou.

O chefe de Estado fez questão de referir que insiste em dizer que os guineenses trabalham muito pouco e, “talvez por isso têm tido tempo para boatos, especulações e rumores”.

"Não conheço nenhum país onde se trabalha apenas 3 a 4 horas por dia e 15 a 20 horas por semana e que tenha conseguido pôr a economia a crescer e o país a desenvolver", criticou o Presidente da República.

A mensagem do Presidente da República à Nação acontece devido as divergências que se tem sido revelado em discursos dos principais titulares dos órgãos de soberania.

ANG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw