Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 14 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


EUA/ Obama anuncia medidas de controlo de armas

2016-01-06

(ANG) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou na terça-feira um pacote de decretos sobre o controlo de armas com um apelo dramático ao país para a "urgência" de agir no tema para por um ponto final a um drama que mata milhares de pessoas todos os anos.



"Agora devemos sentir a urgência absoluta, já que as pessoas estão a morrer. E as constantes desculpas para a inação não funcionam mais. Não bastam mais", disse o presidente na Casa Branca, num discurso no qual não conseguiu evitar as lágrimas.

Obama lembrou que "a cada ano mais de 30 mil americanos têm as suas vidas ceifadas por armas", e indicou que os Estados Unidos são "o único país avançado no mundo em que este tipo de violência indiscriminada ocorre com esta frequência. Isto não acontece em outros países".

Calcula-se que circulem mais de 300 milhões de armas nos Estados Unidos, mais de uma por habitante.

O presidente americano estava acompanhado do seu vice, Joe Biden, e cercado por familiares de vítimas fatais de armas de fogo, aos quais homenageou.

"Centenas de milhares de americanos perderam irmãos e irmãs, ou sepultaram os seus filhos. Outros tiveram que aprender a viver com deficiências. Ou aprender a viver sem o amor das suas vidas. E várias dessas pessoas estão aqui agora", disse o presidente. No momento mais delicado do discurso, Obama chorou ao lembrar as crianças mortas a tiros numa escola de ensino primário de Sandy Hook, em Connecticut, em Dezembro de 2012.

"Toda vez que penso nestas crianças, me sinto mal", disse o presidente, esforçando-se para de recompor.

Durante a ceri mónia, Obama reservou fortes críticas ao Congresso e ao multimilionário lobby dos fabricantes e vendedores de armas, que até o momento bloquearam qualquer tentativa de discussão de uma legislação sobre o controlo de armamentos.

"O lobby das armas poderia fazer o Congresso refém agora mesmo, mas eles não podem tomar os Estados Unidos como reféns", disse o presidente, para quem estes grupos são "barulhentos e bem organizados para que seja fácil que as armas estejam disponíveis para todos, a qualquer momento".

Obama enfatizou que "o Congresso tem que agir" e anunciou que, enquanto o Legislativo não intervier no caso, ele, como presidente da República, usará as atribuições do cargo para assinar decretos.

Um deles exige a checagem de antecedentes criminais de vendedores de armas de fogo - um requisito para obter uma licença -, não só para aqueles que operam num espaço físico, mas também para os que o fazem pela internet ou nas feiras de armamentos montadas em centros comerciais.

O pacote de medidas também exige a verificação de antecedentes criminais na compra de armamento através de grupos, sociedades ou organizações locais e inclui o aumento substancial do pessoal especializado que ficará encarregado de checar os antecedentes.

A Casa Branca propõe, por outro lado, aumentar a ajuda a pessoas que sofrem de transtornos mentais graves e incentivar o desenvolvimento de tecnologias para aumentar a segurança das armas de fogo.

A Associação Nacional de Rifles (NRA), principal defensora e lobista do comércio de armas, respondeu que as declarações de Obama não podiam ser levadas a sério.

"O momento destes anúncios, no oitavo e último ano da sua presidência, demonstra não só a exploração política, mas também uma fundamental falta de seriedade", expressou o director-executivo da instituição, Chris Cox.

Representantes do opositor partido Republicano reagiram praticamente de imediato às medidas de Obama, repetindo que o direito a ter armas está contemplado na segunda emenda da Constituição e, portanto, o presidente não pode limitar este direito.

ANG/Angop


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw