Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 13 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ “Interesses pessoais estão a minar a classe política guineense”, diz Padre Domingos da Fonseca

2016-01-06

(ANG) - O Presidente da Comissão Preparatória da Conferência para Reconciliação Nacional (PCPCRN), afirmou que o maior entrave ao processo de desenvolvimento da Guiné-Bissau é o facto dos políticos do país terem colocado interesses pessoais acima de interesses da Nação.



Padre Domingos da Fonseca, numa entrevista terça-feira à ” Rádio Jovem” considerou normal que haja essa tenção que o país está a observar porque são jogos políticos , salientando que as pessoas, sobretudo a classe política, jogam mais com seus interesses sejam elas pessoais ou colectivos, e é o que está a arruína-los.

O vigário geral da Diocese de Bafatá defende uma sensibilização que ajuda aos guineenses a porem os interesses da Nação em primeiro lugar, e acrescenta que “quando não estivemos em paz e harmonia, ninguém terá o tempo material para poder pensar o desenvolvimento do país”.

O padre disse acreditar que a conferência para Reconciliação Nacional terá lugar ainda este ano, e apela aos políticos para pensarem no bem-estar da Nação, “porque o povo guineense está cansado de sofrer”.

Acrescentou que tudo que o país está a viver é consequência de querelas políticas.

Fonseca disse que, no dia em que os partidos políticos do país privilegiarem o bem estar geral a Guiné vai mudar. “Basta unir os esforços, usar a inteligência para se sair da actual situação”, destacou.

Sustentou que a Guiné-Bissau, para o mundo fora é um país riquíssimo, e que a riqueza do pais é maior que a própria população.

“Se se colocar as divergências de lado e trabalhar, vivendo na verdadeira paz e tranquilidade, dentro de 10 anos muitas pessoas que saíram da pátria, quando voltarem não vão reconhece-lo, porque será outro país” ,rematou o Presidente da Comissão Preparatória da Conferencia para Reconciliação Nacional, em entrevista à estação privada, “Rádio Jovem”, que emite em FM.

A referida comissão procura há vários anos fazer sentar a mesma mesa diferentes actores da vida nacional para um debate nacional com a finalidade de atingir uma verdadeira reconciliação nacional, que marca o fim de várias convulsões políticos e militares vividos no pais, ao longo dos últimos 20 anos de independência.

ANG/MSC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw