Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 19 de Outubro de 2017
Todas as categorias
Cultura
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Literatura/ “ORA DI DIRITU” (É TEMPO DE DIREITOS),já disponível na Casa dos Direitos

2016-01-12

(ANG) O quarto volume da colecção “Desafios Ora de Diritu” já se encontra disponível na Casa dos Direitos, em Bissau, anunciou segunda-feira, em comunicado, a União Europeia.



Segundo o comunicado, o livro apresenta quatro diagnósticos relativos aos direitos das mulheres e da criança na Guiné-Bissau e explica o quadro legal.

O estudo conclui que, apesar de algumas lacunas, um dos desafios principais é o da aplicação da lei já existente, e recomenda aos responsáveis políticos para o respeito e a defesa de todos os direitos humanos no país.

Trata-se de mais um volume do projeto do mesmo nome - “Ora di Diritu” – que tem vindo a ser implementado pela ONG portuguesa ACEP e as ONGs guineenses AMIC, LGDH e TINIGUENA, cofinanciado pela União Europeia e a Cooperação Portuguesa.

No primeiro volume fez-se uma análise co mparada dos direitos económicos das mulheres de condições étnicas e religiosas mais variadas, em meio urbano e rural.

Constatou-se que, apesar de as mulheres serem as que mais se dedicam à terra (55 por cento da produção agrícola), esta não lhes pertence, já que a Lei da Terra remete a questão para os usos e costumes locais.

Igualmente, como é o caso das empregadas domésticas, em algumas profissões as mulheres não são protegidas pela Lei Geral do Trabalho.

No segundo volume olhou-se para as causas culturais e sociais que levam a muita violência contra as mulheres e o porquê das dificuldades em ativar o quadro jurídico.

Este estudo revela problemas de dimensões alarmantes em muitas comunidades do interior que se encontram à margem da organização do Estado, onde impera a justiça privada .

E o terceiro é dedicado ao tráfico de crianças tanto interno como externo. Daí se vê como os traficantes reagem e se adaptam a medidas positivas de luta contra a prática, e como exploram razões ditas culturais, religiosas e económicas que a favorecem.

ANG/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw