Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política “Querelas políticas podem levar ao bloqueio institucional na Guiné-Bissau”, diz Simões Pereira

2016-01-12

(ANG) - O líder do PAIGC, no poder na Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira, receia que as querelas políticas no país possam bloquear as instituições do Estado.



"Tenho medo que, dentro de pouco tempo, por uma questão do bloqueio, voltemos a falar de eleições, o que consubstancia um desvio daquilo que é o essencial", a governação do país, referiu hoje Simões Pereira em declarações aos jornalistas.

O primeiro-Ministro demitido pelo Presidente da República em Agosto passado, pediu que se deixe o PAIGC governar, com o programa e mandato conferido nas eleições gerais de 2014.

O repto do líder do PAIGC é dirigido, entre outros, ao Presidente da República, José Mário Vaz - com quem mantém desavenças pessoais -, no sentido de este deixar o Governo executar as suas tarefas, "a bem do país".

"O Presidente da República está eleito até 2019, ninguém põe em causa a sua competência e as suas prerrogativas, mas que deixe o PAIGC governar", pediu. Domingos Simões Pereira exortou igualmente os guineenses a permitirem que o debate político se faça apenas no parlamento e que as instâncias judiciais operem no âmbito da justiça.

O dirigente político afirmou que seria "complicado" se a Guiné-Bissau não fosse capaz de promover consensos e a governação do país devido a querelas internas, depois de ter realizado eleições elogiadas pela comunidade internacional, que prometeu fundos para apoiar o seu desenvolvimento.

Simões Pereira alude aos resultados da mesa redonda promovida pelo país com doadores em Março de 2015, na Bélgica, na qual a Guiné-Bissau recebeu uma promessa de apoio financeiro por parte dos parceiros na ordem de mil milhões de euros.

Mesmo com receios, o líder do PAIGC diz acreditar que o programa do Governo do Primeiro-ministro, Carlos Correia seja aprovado no Parlamento e que a legislatura siga até ao fim.

Os deputados aprovaram segunda-feira a data de 18 de Janeiro para a segunda apreciação e votação do programa do Governo.

Caso seja rejeitado, o Executivo cai de imediato, depois de numa primeira votação, a 23 de Dezembro, 15 deputados do PAIGC terem optado pela abstenção, impedindo que o documento tivesse o número de votos necessários para ser aprovado. ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw