Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 17 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ Citadinos acusam Deputados de não defenderem interesses do povo

2016-01-18

(ANG) - Alguns cidadãos guineenses acusaram hoje os parlamentares de porem de lado os interesses do povo em detrimento dos seus interesses pessoais e consideraram que tais comportamentos poderäo comprometer o pais perante apoios internacionais.



Numa auscultação feita pela Agência de Noticias da Guiné (ANG) sobre o que acham da crise no seio do PAIGC, justamente na altura em que a ANP deve analisar pela segunda vez o Programa de Governo, os três entrevistados foram unânimes em apelar a união no seio dos libertadores como forma de por fim a desavença actualmente reinante.

Por exemplo, o funcionário público, Suleimane Mandjai disse que os deputados quando estão na sessão parlamentar devem discutir os problemas do povo, porque foram escolhidos através do voto popular para representar as “nossas populações” e não os seus assuntos individuais.

Mandjai acrescentou que, hoje em dia, a Guiné-Bissau está na lista negra, devido aos sucessivos conflitos internos que aconteceram no país.

De acordo com a estudante do Liceu Rui Barcelos da Cunha, Antonieta José de Carvalho, de 19 anosde idade, é difícil aprovar o Programa do Governo uma vez que os próprios deputados não têm a mesma visão devido os seus problemas pessoais que põem acima de tudo.

Antonieta Carvalho referiu que os deputados do PAIGC foram escolhidos pela vontade do povo e devem evitar dessas divisões no seio do partido, e sobretudo respeitar a vontade popular para não prejudicar o país.

Por sua vez, o técnico de Antenas e comerciante , Agnelo Capristano dos Reis Furtado de 43 anos de idade, disse que o PAIGC é que complicou todo o processo de desenvolvimento do país e torna-se difícil saber quando é que essa complicação vai acabar..

Capristano Furtado adiantou ainda que não é possível em 43 anos da independência á Guiné-Bissau não poder garantir emprego para os seus jovens somente criando complicações ao povo guineense.

Os três cidadãos guineenses apelaram aos membros do PAIGC e Deputados de sua bancada a procurarem consensos que ponham fim ao conflito que afecta ao pais em geral.

ANG/PFC/ LLA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw