Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 19 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Crise politica/ PAIGC alerta para tentativa de golpe de Estado apoiada por “mãos obscuras”

2016-01-21

(ANG) - O presidente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) alertou quarta-feira para uma tentativa de usurpação do poder pela força, na Assembleia Nacional Popular (ANP) que há já muito tempo vem sendo preparado e que agora está em execução por “mãos obscuras”.



Por ocasião da comemoração do dia 20 de janeiro, uma efeméride sobre o assassinato do fundador do PAIGC, Amílcar Lopes Cabral, Domingos Simões Pereira disse que esta usurpação do poder na ANP conta com o apoio de forças politicas que, descrentes da sua capacidade em convencer o povo recorrem de tais expedientes para acederem ao poder.

O presidente dos libertadores afirmou que a situação política em ocorrência na ANP constitui-se de um sequestro da Assembleia Nacional Popular por parte dos quinze “ex-deputados da nação expulsos desta formação política e que, sob forte proteção de homens armados dissimulados em civis se têm recusado a abandonar o hemiciclo .

“No calar da noite, já sem a presença dos verdadeiros representantes do povo eleitos na lista do PAIGC, esses ex-deputados se juntaram a outros grupos parlamentares para presumivelmente deliberarem e mesmo legislarem, para sustentarem o que pretendem que seja uma nova maioria e tentando forjar um nova solução governativa”, acusou.

O líder do PAIGC, partido maioritário na ANP, exortou a todos os militantes e simpatizantes do partido e a população guineense em geral no sentido de se mobilizarem em defesa das conquista revolucionarias a se erguerem, enquanto é tempo, contra todas as formas de tirania e ditadura que são ameaças que pendem sobre a Guiné-Bissau.

“Hoje, infelizmente, para todos nós, nem o medo e muito menos o comodismo das nossas casas nos salvará. Se não lutarmos pela observância e respeito dos valores que sustentam o Estado de Direito.

Democrático em que todos os titulares dos órgãos da soberania respeitam, cumprem e fazem cumprir as leis e os princípios e regras da sã convivência democrática, estaremos a entregar de forma gratuita aquilo porque lutaram e morreram os heróis que dizemos honrar”, apelou.

Considerou de uma tremenda falta de coragem e de patriotismo hipotecar as conquistas que o país tem teito ao longo do tempo, sucumbindo à vontade de uma dúzia de indivíduos que procuram a todo o custo assumir o controlo absoluto do país para assim apagarem os traços da sua conduta criminosa do passado e perpetuarem a sua voraz sagacidade.

Segundo Domingos Simões Pereira, apesar das enormes dificuldades e do clima de tensão permanente por que o país tem passado nos últimos tempos, os órgãos competentes do partido têm sabido se erguer à altura das suas responsabilidades tomando as medidas que se impõem para a defesa da disciplina interna e coesão do partido.

Disse que é chegada a hora de todos os militantes e simpatizantes do partido responderem ao chamamento para a defesa do PAIGC e da Guiné-Bissau.

O líder do PAIGC afirmou que tem que ser criadas condições para o retorno ao quadro da estabilidade geral e governativa conhecida no início da legislatura e que permitiu angariar tanta adesão interna como a credibilidade e apoios internacionais.

“Só desta forma estaremos a render uma verdadeira homenagem aos nossos heróis e mártires da liberdade e independência. Só assim estaremos a defender as conquistas da nossa luta e a assegurar o futuro das gerações vindouras”, garantiu o líder do partido de Amílcar Cabral.

Na sua breve e improvisada mensagem alusivo a data, a Secretaria do Departamento dos Combatentes da Liberdade da Pátria e dos Assuntos Sociais, Francisca Pereira pediu aos políticos no sentido de baixarem as tenções para o bem do povo guineense e dos seus heróis que tombaram durante a luta armada contra o regime colonial.

O programa do secretariado nacional do PAIGC, para as comemorações desta efeméride, foi preenchido pela concentração de militantes e convidados na sede do PAIGC ao mesmo tempo igual feito foi conseguido na rotunda do aeroporto Internacional Osvaldo Vieira junto à estátua de Amílcar Cabral.

No entanto, os dirigentes do partido e membros do governo depositaram coroas de flores no Mauseléu Amilcar Cabra e nas supulturas de outros combatentes da liberdade da pátria no recinto do quartel de Amura e no cemitério municipal.

O presidente da Republica, José Mario Vaz , por seu lado, homenageou aos herois nacionais com a deposiçäo de corôa de flores no Mausoleu Amilcar Cabral.

O 20 de Janeiro, dia dos herois nacionais, é a data de assassinato de Amilcar Cabral, fundador das nacionalidades guineenses e caboverdianos ,na vizinha Republica da Guiné-conacry, em 1973.

ANG/FGS/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw