Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Justiça
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


AGRICE e AFUB organizam workshop sobre convenção dos direitos de deficientes

2015-07-13

(ANG) - Associação Guineense de Reabilitação dos Cegos (AGRICE) e a União Africana dos Cegos (AFUB), realizam entre 13 e 14 do mês em curso um workshop sobre a convenção dos direitos das pessoas com deficiência, com o propósito de contribuir para a divulgação do tratado e troca de experiencia em prol da classe.



Em declarações à ANG, o Presidente de AGRICE, Manuel Lopes rodrigues,disse que o encontro é uma parte de advocacia pelas pessoas com deficiência, salientando que o país deve ser mais dinâmico no capítulo da promoção das pessoas com insuficiência físicas.

Manuel Rodrigues adiantou que é preciso mais intervenção do governo, porque até a data presente não foi promulgada a convenção ratificada pelo parlamento guineense.

“Por isso, este encontro é mais uma chamada de atenção ao governo e aos governantes, para o respeito pelas pessoas com insuficiência porque todos somos iguais e a sociedade é inclusiva e o executivo deve assumir essa responsabilidade”,disse Lopes Rodrigues.

Por seu turno, o Coordenador da União Africana dos Cegos, Lucas Amona disse que a intenção é de partilhar o que já foi feito pelo governo em termos da assinatura da ratificação e reflectir em conjunto para que um dia os executivos possam transformar parte da convenção em leis nacionais.

“Nos eventos como este é importante passar informações aos beneficiários de que já existe uma convenção e que eles devem monitorar para que o que está no tratado possa tornar realidade no país “ explica o Coordenador da AFUB.

Amona adiantou que o encontro visa a sensibilização dos participantes a fim de saberem quais os seus direitos e deveres.

“ A resolução dos nossos problemas não quer dizer que deixaremos de ser deficientes físicos. É arranjar meios alternativos de acomodação de pessoas deficientes, isto é, ter uma vida normal. Só o estado ou governo pode ser um grande parceiro para o comprimento deste objectivo” disse Lucas Amona.

O coordenador da União Africana dos Cegos convidou à todas as forças vivas da Naçâo a caminharem juntos segundo a realidade de cada país para que a convenção se torne numa lei.

ANG/MSC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw