Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Crise política/ PR recorre a constitucionalistas portugueses para esclarecer decisões na ANP

2016-02-03

(ANG) - O Presidente da República referiu-se terça-feira aos pereceres de dois constitucionalistas portugueses solicitado por ele e que terão pronunciado sobre o acto de substituição dos 15 deputados do PAIGC pela Comissão Permanente da Assembleia Nacional Popular e a eleição de uma nova mesa da ANP.



A revelação foi feita a imprensa por elementos partidários que participaram na segunda reunião promovida pelo chefe de estado sobre a crise politica vigente no pais.

Ninguém na reunião terá tido acesso aos referidos documentos em relação aos quais se diz que os dois professores das universidades de Lisboa e de Coimbra nomeadamente, Jorge Miranda e Vital Moreira terão qualificado de inconstitucional a eleição de uma nova mesa da ANP pelos "15" e os deputados do PRS, assim como a substituição dos 15 deputados expulsos do PAIGC, por violação dos estatutos do partido.

Não foram divulgados os fundamentos que terão sustentado a declaração de inconstitucionalidade dos dois constitucionalistas portugueses sobre as questões acima referidas.

O Presidente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) disse à imprensa que o Presidente da República pediu ponderação das várias entidades sobre os dois caminhos que considera possíveis: “vias judiciais ou a viabilização de um entendimento ao nível da ANP”.

Domingos Simões Pereira afirmou que entregaram ao José Mário Vaz uma comunicação oficial no qual o lembraram que o Estado é feito do respeito das instituições e das leis.

“Para nós o respeito das leis e das instituições não é uma alternativa ao diálogo e vice-versa. Porque está-se a criar uma tendência de propor-se ao diálogo e a procura de consensos como uma substituição do respeito da lei e das instituições do país”, explicou.

Conforme o líder do PAIGC, da mesma forma que o Presidente da República é o primeiro magistrado da nação, a existência dos vários órgãos da soberania se fundamenta no respeito dos princípios da separação dos poderes.

“Qualquer tentativa de transferir para outro órgão da soberania competências que são estritamente adstritas à ANP é já a não observância do princípio da separação dos poderes”, avisou.

Simões Pereira saudou a capacidade do Presidente da República em promover o diálogo e disse, no entanto, esperar que este terá a capacidade de assegurar a observância das leis e por outro lado ir no sentido da promoção da coesão interna.

Por sua vez, o secretário-geral do Partido da Renovação Social (PRS) , Florentino Mendes disse que os dois constitucionalistas se posicionaram de forma clara sobre aquilo que a sua formação política sempre defendeu: “um deputado não pode perder o mandato nos termos em que a Comissão Permanente da ANP deliberou”.

“O assunto da perda de mandato, neste momento, conforme os dois professores é da competência do plenário da Assembleia Nacional Popular”, referiu Mendes Pereira.

O vice-presidente da ANP, Inácio Correia declarou que a posição da sua instituição mantêm-se porque agiu de acordo com as leis internas no que diz respeito a substituição dos deputados.

“Ouvi com atenção os pareceres, mas o mais importante, é que não ouvi onde fizeram menção de que não há deputados independentes. Porém no nosso caso há leis, da ANP e do próprio PAIGC que solicitaram a expulsão desses deputados, e, que foram aplicadas em consonância com o partido”, sustentou Inácio Correia.ANG/FGS/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw