Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Caju/ “Crise política pode comprometer a campanha”, diz Jaime Gomes

2016-02-04

(ANG) – O Presidente da Associação Nacional dos Agricultores(ANAG), admitiu que a actual crise política no país pode atrapalhar a presente campanha de comercialização da castanha de caju, se as partes em divergência não conseguem chegar de imediato a um acordo.



Jaime Boles Gomes que falava à Agência de Notícias da Guiné - ANG disse que se não for encontrada uma solução rápida para actual crise política, a presente campanha corre o risco de não ter o sucesso como a do ano passado.

Segundo o Presidente da ANAG os potenciais compradores da castanha, como é o caso dos empresários indianos irão para outros países onde há estabilidade política.

"Por isso, apelo aos governantes para pensarem nos valores democráticos e se empenharem na busca incessante de solução para os problemas, garantido a paz e tranquilidade no país", informou.

“A castanha de caju é o principal produto de exportação do país e este ano corre o risco de vier a ser comprada por 100 ou 150 fcfa por cada quilo ao produtor se a crise política continuar”, avisou Jaime Gomes.

Acrescentou que nessa altura os produtores já estão a ser explorados por alguns comerciantes que lhes dão adiantamentos de um saco de arroz de 50 quilogramas, para em contrapartida vier a receber um saco de cem quilogramas da castanha de caju.

Por isso, apelou aos actores políticos para elegerem o diálogo construtivo como estratégia de resolução dos diferendos políticos e como ferramentas para fortalecer a democracia e consolidar a paz evitando assim condutas que possam chocar com os valores da paz e estabilidade.

O Presidente da ANAG disse que há produtores que após três meses de colheita começam a passar fome e que outros entre seis e nove meses também começam a enfrentar dificuldades.

Perante esta realidade, Jaime Gomes apela aos comerciantes em causa a deixar esta prática, porque não estão a contribuir para combate a fome e pobreza na Guiné-Bissau .

"Daí que é necessário ter um país calmo, onde as regras são respeitadas, para que os empresários possam vir e investir, possibilitando a criação de uma outra fileira de produção que não seja de caju", avisou. ANG/LPG/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw