Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Reconciliação Nacional/ Timor-Leste disponibiliza cerca de 150 milhões de francos CFA à Guiné-Bissau

2016-02-05

(ANG) - A Republica de Timor-Leste entregou hoje um cheque no valor de cerca de 150 milhões de francos CFA (250 mil dólares) ao governo guineense no quadro do fundo prometido na mesa redonda de Bruxelas.



No acto da entrega do referido cheque, o Representante da Agência de Cooperação de Timor-Leste na Guiné-Bissau, Alberto Xavier Pereira disse que a doação corresponde a metade da verba prometido na mesa redonda e destina-se a apoiar as actividades da reconciliação na Guiné-Bissau.

“O que tínhamos prometido em Bruxelas no âmbito do projecto “terra ranca” era de 500 mil dólares. Já entregamos 50 por cento e a outra parte só vamos entrega-la após a apresentação do Relatório das actividades feitas por parte da Comissão da Reconciliação da Guiné-Bissau”, disse Alberto Xavier.

Alberto Xavier Pereira sublinhou que para os timorenses a ideia de reconciliação é importante e que assim sendo o seu país está e estará disposto a ajudar a Guiné-Bissau sempre que possível.

Acrescentou que o futuro e o bem-estar da Guiné-Bissau estão nas mãos dos guineenses e que a vontade deve prevalecer na busca de reconciliação.

Por sua vez, o Presidente da Comissão Nacional de Reconciliação, Padre Domingos da Fonseca agradeceu o gesto do Timor-Leste, disponibilizando fundos para a realização da Conferência Nacional para a Consolidação da Paz e Desenvolvimento na Guiné-Bissau.

“Sem um espaço onde o cidadão poderá denunciar e exprimir de sua livre vontade e consciência ou de aceitar a vontade de perdoar, de se reconciliar consigo mesmo e com os outros, será difícil reconciliar uma nação que fragmenta dia após dia”, salientou o padre Domingos.

Sublinhou que os guineenses devem unir-se com a finalidade de libertar-se do ódio, da vingança e do rancor de modo a abraçarem o caminho da reconciliação sem distinção de raça, origens e concepções religiosas.ANG/AALS/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw