Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Comunicações
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Guinetel e Guine-Telecom

Trabalhadores responsabilizam governo pela inoperacionalidade das duas empresas públicas

2015-07-16

(ANG) - O Presidente do Sindicato de base das empresas pública Guinetel (rede Móvel) e Guiné-Telecom (rede fixa) acusou hoje o governo de estar a agir com má-fé em relação ao processo de restruturação e relançamento das duas empresas.



David Mingo que falava numa conferência de imprensa disse que durante os 12 meses de mandato, o executivo não se manifestou sobre o futuro dessas empresas, cujos trabalhadores enfrentam sofrimentos enormes.

Mingo referiu que o Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira nomeou em Setembro de 2014 uma comissão de gestão e restruturação para finalizar o processo iniciado em 2009, mas que tudo continua na mesma.

O presidente do sindicato de base da GTM/GT disse que têm 18 meses de salários em atraso, e que apesar destas dificuldades os funcionários nunca baixaram os braços, tendo conseguido produzir documentos para o relançamento das duas empresas.

David Mingo afirmou que as duas empresas estão equipadas de materiais de última geração, desde 2011.

“ Estamos com problemas e precisamos de ajuda, mas o secretário de Estado ao invés de se preocupar com a restruturação da GTM/GT deu prioridade à empresa GUIPORT tendo já agendado uma reunião do Conselho de Ministros para a sua alienação. Isto mostra claramente as intensões de que querem ver a degradação das duas empresas para depois justificar que não tem condições para funcionar, ” disse David Mingo.

Referindo-se ao despedimento de 100 trabalhadores dessas empresas, David Mingo disse que o governo alegou dificuldades económicas para justificar esses despedimentos.

As duas empresas contam agora com menos de 90 funcionários e David Mingo revelou que pretendem organizar uma marcha de protesto, se até a próxima segunda-feira, dia 20, o governo não atender as suas preocupações.

As duas empresas públicas de telecomunicações estatais chegaram de liderar o mercado.

Com o aparecimento de duas outras empresas da área não aguentaram a concorrência e a situação económica sobretudo das duas empresas piorou gradualmente até ao fecho completo.

ANG/JD/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw