Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 14 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


CPLP/ Timor-Leste pede união de Governos e privados para aproveitar oportunidades na Ásia

2016-02-24

(ANG) - Governos e sector privado da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) devem fazer "esforços conjuntos" para capitalizar as oportunidades que a dinâmica região da Ásia oferece, defendeu terça-feira o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros timorense.



Roberto Soares falava em Díli numa conferência no âmbito da segunda reunião dos ministros do Comércio da CPLP, que antecede o 1.º Fórum Económico Global lusófono que reunirá na capital timorense centenas de empresários e delegados de mais de 20 países.

"A Ásia oferece muitas oportunidades, mas estas oportunidades têm também desafios. E para colocar a bandeira da CPLP na Ásia é preciso adoptar um esforço conjunto e unido com o sector privado", disse Sarmento Soares.

"É preciso uma acção coerente e coordenada, com uma visão do Governo e do sector privado, porque só assim se podem extrair os benefícios do dinamismo regional e global", sublinhou.

O vice-ministro afirmou que a Ásia está a tornar-se um novo "centro global" da economia mundial, com grandes oportunidades mas também desafios.

Entre os desafios mais prementes está a distribuição desigual de riqueza, uma população envelhecida, conflitos étnicos e religiosos que afectam o desenvolvimento e o crescente problema da poluição ambiental.

"A Ásia tem um 'know-how' tecnológico capaz de responder aos maiores desafios. Mas sem esforço concertado e liderança para fazer avançar o continente, não conseguirá responder aos complexos desafios que permanecem", disse.

Para Roberto Soares, os Governos têm estado a esforçar-se para melhorar as condições para os empresários actuarem, mas cabe agora ao sector privado "continuar os esforços do Governo", procurando tornar-se "mais produtivo e inovador".

A conferência de terça-feira ouviu várias apresentações sobre oportunidades de investimento em Timor-Leste, com destaque para projectos como a Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM) de Oecusse e Ataúro, ou a cooperação trilateral Timor-Leste-Austrália-Indonésia.

Mari Alkatiri, responsável da ZEESM, destacou os estudos preliminares que apontam importantes retornos no investimento na região de Oecusse.

"Uma infra-estrutura ecológica única, que permite o desenvolvimento de actividades de nicho, como o turismo sustentável [ou] agricultura orgânica", disse, considerando que agora é importante avançar com estudos mais pormenorizados que permitam detalhar a viabilidade de todas as opções, no âmbito do programa de ordenamento do território já aprovado.

"Estudos essenciais para o que pretendemos alcançar, em termos de governação para Ataúro e Oecusse. Políticas baseadas em factos concretos que nos permitam escolher o melhor caminho para dinamizar e gerar oportunidades de investimento com retorno económico", disse.

Alkatiri recordou que, numa primeira fase, e pela primeira vez desde 2014, o Estado timorense está a combater o isolamento em que as regiões de Oecusse e Ataúro viveram, praticamente sem qualquer investimento público.

Em termos gerais, Mari Alkatiri disse que em Timor-Leste a maior aposta deve ser nas áreas da agro-indústria, turismo e sector financeiro, que "devem ser desenvolvidos de forma integrada".

João Gonçalves, coordenador da Unidade de Cooperação Triangular, destacou as possibilidades de investimento nesta região e os esforços para dar a conhecer essas potencialidades a investidores.

O objectivo, explicou, é lançar uma zona de crescimento e desenvolvimento económico entre Timor-Leste, a província indonésia de Sonda Oriental (NTT) e o Território Norte da Austrália, aproveitando as condições privilegiadas de Timor-Leste para acesso aos principais mercados mundiais, criando um "centro industrial e logístico para as matérias-primas e produtos semielaborados das geografias adjacentes".

"O sector privado é o principal protagonista desta iniciativa, a sua participação é determinante para o seu sucesso", disse. ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw