Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 18 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Imprensa/ Ministro da Comunicação Social considera de inexistente “investigação jornalística” na Guiné-Bissau

2016-02-25

(ANG) - O ministro da Comunicação Social considerou quarta-feira de inexistente a prática do jornalismo de investigação no país e sublinhou que o mesmo exige apurar os factos em busca da verdade.



Agnelo Augusto Regala falava na cerimónia de abertura de um seminário de capacitação de jornalistas guineenses em matéria de investigação, financiado pela Embaixada dos Estados Unidos de América na Guiné-Bissau e que terá a duração de 4 dias.

O governante disse que a referida formação é de grande importância e que irá introduzir os jornalistas guineenses na prática do jornalismo de investigação com a finalidade de aprofundar sempre os factos.

“O dever de um jornalista assenta na busca da verdade oculta para informar o seu público e para que isso aconteça é necessário sempre um trabalho de pesquisa que deve ir para além das aparências dos factos verificados”, disse Augusto Regala.

Acrescentou que no jornalismo de actualidade a informação é como uma fotografia da realidade e que no jornalismo de investigação apresenta a radiografia da realidade isto é informação aprofundada.

O governante disse que a formação chegou num momento em que a Guiné-Bissau precisa de muitos trabalhos de investigação para apurar os factos sobre as corrupções e crimes organizados.

Agnelo Augusto Regala apelou os jornalistas beneficiários do curso a terem coragem de pôr em prática os conhecimentos que vão adquirir e de não esquecerem que um trabalho de investigação tem sempre os seus riscos.

Por sua vez, o Presidente do Sindicato dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social, Mamadu Candé agradeceu a Embaixada dos Estados Unidos da América pela iniciativa de apoiar a classe jornalística e pediu que o gesto continue.

“A Guiné-Bissau carece de jornalistas com domínio na área de investigação, por isso peço que os colegas aqui presentes aproveitem a oportunidade de modo a poderem contribuir no futuro para o desenvolvimento do nosso país”, referiu Candé.

Sublinhou que através da investigação é possível descobrir os malfeitores da Guiné-Bissau e os actores dos diferentes actos de assassinatos cometidos no país.

O Seminário é organizado pela Cobiana Communications (uma organização ligada a comunicação) e nele serão abordados os seguintes temas: jornalismo de investigação do contexto da África Ocidental, media social e jornalismo, jornalismo no contexto político da África Ocidental e media social e jornalismo.ANG/AALS/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw